Na segunda parte da reportagem sobre o problema dos afogamentos em Nova Petrópolis e região, o repórter Rafael Xavier mostrará os perigo do Rio Cadeia em Picada Café, cidade vizinha de Nova Petrópolis. Estamos no forte do verão e todos querem conhecer novos lugares próximos a cidade para se divertir com amigos e família.

Um dos destinos bastante procurados é a cidade vizinha Picada Café que é banhada pelo Rio Cadeia, um rio perigoso com profundidades grandes e de grande risco se não for devidamente respeitado.

Em janeiro de 2012 há três anos atrás infelizmente o garoto Gustavo de Moraes, 13 anos, que havia vindo morar em Joaneta, Picada Café com a mãe, uma industriária que trabalha em uma das empresas de calçados. O menino banhava-se com o amigo de seis anos quando mergulhou e não mais voltou a superfície do Rio Cadeia. O outro menor foi quem avisou populares que acionaram os bombeiros. “Assim que chegamos os populares já haviam mergulhado e localizado o menino. Embora que o corpo foi logo localizado,porém a equipe de salvamento não conseguiu salvar a vida dele. O aonde o garoto submergiu e ocorreu o afogamento tem uma profundidade de 2,5 metros.

Seria muito importante o aumento de placas de aviso em diversos pontos desse rio indicando a profundidade e os riscos que podem trazer aos banhistas. Assim como o Rio Cai, o Rio Cadeia é um rio traiçoeiro e muito perigoso com buracos de muita profundidade bem ao lado aonde esta raso. É necessário que todos tenham muito cuidado quando forem se banhar no Rio Cadeia, segue abaixo mais algumas dicas muito importantes:

·  Evitar nadar sozinho;

·  Não tomar bebida alcoólica antes de entrar na água;

·  Não mergulhar após lanches e refeições;

·  Não se afastar da margem;

·  Não saltar de locais elevados para dentro da água;

·  Não tentar salvar pessoas em afogamento sem estar devidamente habilitado;

·  Prefira lançar objetos flutuantes (bolas, bóias, isopores, madeiras, pranchas e outros) ou então corda para salvar pessoas ao invés da ação corpo a corpo;

·  Não deixar crianças sozinhas, sem a presença de um adulto responsável;

·  Identificar nas proximidades a existência do salva-vidas e permaneça próximo a ele;

·  Olhar a sinalização do local, pois a mesma indicará se o local é próprio para banho ou não;

·  Evitar brincadeiras de mau gosto como os conhecidos “caldos”;

·  Evitar navegar com carga em excesso;

·  Prestar atenção na água; muitas vezes a observação é suficiente para perceber alterações que levam a concluir que está poluída ou é perigosa para banho;

·  Tomar cuidado em caminhar sobre as superfícies rochosas, pois podem estar escorregadias e a pessoa pode cair e/ou se cortar;

·  Somente conduza embarcações se for habilitado e longe dos banhistas;

·  Instruir a criança do perigo existente em entrar em águas mais profundas ou ficar só;

·  Evitar brincadeiras fingindo que está se afogando, pois além de perturbar a paz pública, havendo um afogamento verdadeiro as pessoas podem não dar importância pensado em se tratar de outra brincadeira de mau gosto.

·  A qualquer problema ligue imediatamente para o Corpo de Bombeiros -190 – para orientações e auxilio à vítima.

Tenham todos um bom final de semana pessoal.

Rafael Cortes Xavier

 

COMPARTILHAR
Colunista: Rafael Cortes Xavier

Rafael Cortes Xavier é hoteleiro, músico, radialista e relações públicas. Pratica o campismo a mais de 25 anos. Nascido em Porto Alegre, pesquisa o campismo no Brasil , Europa e America Latina. Trabalha atualmente na recepção de Hotel ,diretor de Rádio e músico tocando em bares do sul do Brasil. Tem muita experiência em campings, pousadas e hotéis do Rio Grande do Sul, Uruguai e Santa Catarina. rafaelmacamp@gmail.com