Se acampar já é bom, quando sobre duas rodas une duas grandes paixões para quem curte a atividade. Assim como o campismo que é um estilo de vida e hobby além de uma modalidade de hospedagem, o motociclismo também agrega muito mais do que um simples meio de transporte. Além de cativar e reunir aficionados, também oferece uma sensação de liberdade em um veículo que pode chegar ainda mais longe do que um carro – muitas vezes 4×4. Atendendo a muitos pedidos, resolvemos dedicar um artigo sobre acampar de moto.

Como não somos praticantes da modalidade das duas rodas, fomos buscar amigos que de longa data contribuem com nosso portal MaCamp. Ricardo Ferreira da Silva e Iraê Silvério Laia já compartilham conosco fotos de suas aventuras há tempos. Desta vez nos ajudaram muito explicando com detalhes sua experiência.

O VEÍCULO: São inúmeros motivos que levam um viajante a optar pela moto. A liberdade e agilidade das duas rodas pode significar também uma limitação na bagagem. É óbvio, mas provoca no ser humano um sentido muito saudável que envolve o racionamento, desapego e planejamento. Assim como já acontece no campismo familiar, a avaliação do que é realmente importante e o que pode ser dispensável torna-se uma necessidade imediata na hora de acomodar a tralha na motoca. Aqui se mistura muito do campismo de aventura ou trekking. Na mochila somente o indispensável e principalmente equipamentos compactos. No caso da moto ainda dá para optar por alguns itens um tanto mais pesados, já que não será o lombo do aventureiro que carregará o fardo. Mesmo assim tudo com moderação. Realmente, com o passar do tempo fomos aprendendo o que realmente precisamos e do que não precisamos, pois a moto nós dá certa liberdade, porém nos restringe em outras”, conta Ricardo.

CHECK LIST: É um importante requisito, difícil de ser construído e também divulgado. Isto porque cada indivíduo tem uma lista pessoal. Portanto a listagem abaixo descrita pelo nosso amigo Ricardo serve apenas de referência e inspiração para que você possa construir o seu. A melhor forma de inventariar suas necessidades é mesmo a prazerosa atividade de se imaginar na grande e sonhada viagem. Momento a momento. Imaginar todo o seu dia e fundir com o planejamento estratégico que também envolve roteiro, deslocamentos, gastos e etc. Fato: toda a lista e a compacidade dos itens dependerão do tamanho de seus bagageiros.

1º Itens que julgamos essenciais para uma viagem longa (considerando longa mais de 15 dias)
– Fogareiro compacto
– Botijão de gás para o fogareiro
– Panelas, ao menos duas
– Dois pratos (usamos em alumínio, assim como as panelas)
– Canivete
– Dois jogos de talheres (no caso nosso que somos dois)
– Canecas/Copos (plásticos)
– Uma caneca de ferro (usamos ela também para esquentar a água para fazermos café)
– Caixa de fósforos (às vezes o acendedor do fogareiro não funciona)
– Barraca (preferimos uma de pelo menos 3 lugares, pois assim temos um pouco mais de espaço por dentro, para guardar algo)

– Colchão/colchonete (hoje estamos usando um inflável compacto, mas já usamos só isolante, colchonete auto insuflável)
– Isolante térmico
– Cobertor ou saco de dormir (depende para onde vai viajar)

Isso tudo acima é o quase sempre levamos em todos os campings, só quando há uma excelente estrutura ou quando é apenas um final de semana, onde não precisamos as vezes fazer comida ou coisas do tipo. Panelas e pratos, prezamos por serem compactos e leves. Assim como foi na escolha na barraca e colchão. Usamos uma marmiteira, assim cabe dentro dela, outra panela, fogareiro e canivete. Levamos tudo separado em sacos de pano, ai em cima tem os produtos de higiene, panelas e gás com os potes.

BAGAGEIRO: Os bagageiros podem variar muito em relação à diversidade de motos. Além dos estilos, existem vários tamanhos que poderão receber mais ou menos baús, caixas, alforges ou cestos. Alguns estilos de motos já contam com alguns compartimentos originais. Sem dúvida esta etapa será uma das empolgantes pesquisas na busca dos acessórios perfeitos da motoca. Nosso consultor Ricardo começou com três baús plásticos. Os dois laterais de 21 Litros só serviram para a primeira viagem e logo foram substituídos por outros dois de 33L. O traseiro já de maior capacidade possui 45 Litros que abrigava no início todo o material de camping com exceção da barraca e dos colchonetes. Com a necessidade de colocar tudo dentro, optaram por trocá-lo por uma mala impermeável que custou muito mais caro, mas valeu o investimento a prestações. Ricardo alerta que muitos perfis de viajantes se bastam com o baú de 45L.

“Resumindo, hoje acreditamos que temos o ideal que nos serve, quando não precisarmos levar sacos de dormir, vamos ter espaço sobrando e quando precisarmos vamos ter o suficiente. (…) Caso alguém vá viajar sozinho, uma mochila cargueira com a metade dos itens que precisamos levar, vai conseguir viajar, sem tanta mala, baú, etc… Isso vai depender da necessidade de cada um e o aprendizado do que cada um vai precisar, assim como fomos nós.”

ROUPAS E HIGIENE: Além dos equipamentos de camping do check list temos todos os elementos que fazem parte de qualquer modalidade de viagem. As roupas, calçados, toalhas e itens de higiene são imprescindíveis. Roupas dependem muito do destino da viagem, pois frio, calor, chuva, neve irão ditar principalmente o volume que elas ocuparão. Ricardo lembra da possibilidade de abrir mão de algumas peças caso seja possível ou da intenção de adquiri-las pelo caminho. Já os itens de higiene são mais fixos e alguns deles também podem ser repostos no trajeto caso acabem, como pastas de dentes, xampu e sabonetes. Remédios e outros itens de primeiros socorros também serão uma necessidade que dependerá de cada um.

“Normalmente, levamos uma peça no corpo e duas sobressalentes, assim podemos ir revezando, lavando e adquirindo outras pelo caminho. Tudo vai depender para onde se viaja, calor, frio, banho de mar, etc… Costumamos levar as roupas enroladas, assim conseguimos reduzir o volume, não podemos nos preocupar com roupa amassada, temos que esquecer isso… (…) Temos uma toalha compacta, que compramos na Decathlon, a qual seca o corpo muito rápido, e também seca rápido, um tecido que gostamos muitos! Nos secamos e a toalha não fica pesada e encharcada.”

A BARRACA: Assim como todas as modalidades de campismo nômade a barraca é a protagonista. No caso do acampamento com moto a tendência é seguir a modalidade trekking com baracas compactas e leves que não ocupem muito espaço. No caso da moto, caso haja um espaço bom, a barraca até poderá ser mais pesada em detrimento de alguma outra vantagem, já que não será levada nas costas. Um modelo com avancê, mesmo que pequeno ajuda muito, para abrigar calçados e demais itens que necessitam de proteção.

“Pesquisamos a barraca Quechua QuikHiker 2 e 3 pessoas. É muito prática e compacta para nós que viajamos de moto. Tem certa de 3 kg, varetas em alumínio, auto portante e dá para montar em 1 ou 2 minutos só cruzando as duas varetas e esticar as pontas. O colchão, fica junto da barraca, diminuindo ainda mais o volume geral.”

DESTINO: A escolha do destino já não tem regras. Não faltam lugares nos nossos sonhos, principalmente no mundo do motociclismo, onde a América do Sul é palco de grandes aventuras. Tanto as américas, quanto o Brasil possui destinos incríveis para todos os gostos e climas.

ESCOLHA DO CAMPING: Escolhido o roteiro e destino é hora de procurar os campings. Esta questão é fácil de responder. O Guia MaCamp possui mais de 2.500 estabelecimentos cadastrados, mais da metade disso georreferenciados. Assim fica mais fácil de escolher as opções. Depois é hora de escolher os que possuem as melhores infra-estruturas de banheiros, cozinha e atrativos naturais. Ricardo nos conta um pouco deste processo:

“No começo sempre procurávamos nos Google, porém não tinha tanta referências. Depois que encontramos o MaCamp e aí ficou bem mais fácil, pois tinha muitas informações relevantes e que por muita das vezes não se encontrava nos sites por ai. (…) Achamos relevante quando se têm acesso a energia e banho quente. Isso ajuda muito, já que viajamos o dia inteiro e precisamos de um banho para recuperar um pouco das energias e recarregar as baterias dos eletrônicos”

SEGURANÇA: A pergunta que não quer calar não é exclusividade do acampamento de moto. Mas a verdade é que sempre se faz uma ideia muito mais diabólica da realidade. Muitos são os viajantes que varam meses na estrada sem qualquer problema. Porém sempre alerta e procurando saber da realidade local, o que é imprescindível para que esta tranquilidade se concretize. “campings são sempre tranquilos. Poucas vezes, ficamos em campings sem alguma estrutura, esse ano (na Patagônia), talvez peguemos alguns lugares mais ‘selvagens’ para acampar, mas nada que gere pânico ou preocupação.”, diz Ricardo.

DICAS DE ROTEIROS: Além de destinos e caminhos como a própria Patagônia que é muito difundido, muitos são os roteiros brasileiros que podem oferecer belezas e boas opções de campings. Ricardo lista destinos como Chapada Diamantina, Chapada dos Veadeiros e Parque Nacional do Itatiaia. Complementamos com Cânions das Serras Catarinense e Gaúcha, Pampas da Lagoa dos Patos até o Chuí, Foz do Iguaçu, Planalto Central, Pantanal, Litoral Nordestino e muito mais. Perto do Eixo Rio São Paulo, o trajeto da Rio-Santos também resguarda paisagens incríveis e mais de 100 campings no caminho. “Fora do país, gostamos muito de acampar em San Pedro de Atacama, apesar de não ter acampado fora da cidade, o clima do lugar faz a gente querer voltar. Na Bolívia, queremos voltar para acampar na Reserva Nacional Eduardo Avaroa, pois a Iraê ficou com medo de ‘morrer de frio’ e acabamos perdendo a oportunidade de dormir a beira das Lagunas…” conta Ricardo.

ENTREVISTA: Como complemento a este artigo, selecionamos algumas perguntas ao casal Ricardo Ferreira da Silva e Iraê Silvério Laia que responderam com detalhes que podem ajudar a inspirar outros moto-campistas.

Porque optaram pela moto como meio de transporte?

É algo muito particular e de gosto pessoal. Conheço pessoas que amam moto, mas nem cogitam em viajar nela. Então, meio que foi a moto que nos escolheu e foi a melhor coisa que nos aconteceu. Comecei tarde no gosto pela moto.A primeira, com 3 meses, comecei a pegar distâncias maiores, então fui evoluindo, das 125cc para 250cc e agora 600cc. A praticidade da moto também é algo a se relevar. Fácil acesso em praticamente em qualquer lugar, dá para estacionar fácil, e a moto dá aquela sensação de liberdade bem maior. É algo muito difícil de descrever o que é gostar de viajar de moto.

Qual é o modelo da moto de vocês?

Nosso meio de transporte ultimamente é a Yamaha Ténéré 600, modelo 1990. Um modelo do qual eu, quando criança, desejava ter. Na época era uma das mais famosas e sonhadas.

Viajar de moto é mais rápido e mais barato que de carro?

Sim, bem mais econômico. Apesar da nossa moto velha consumir muito, média de 17 a 19 km/l, muitos lugares moto não paga pedágio, e quando paga se cobra 50% do valor do veículo leve. Muitos lugares não se precisa pagar estacionamento para motos e quando se precisa é mais barato. Manutenção também! São só dois pneus para se trocar. Componentes na maior parte são mais acessíveis. Sobre velocidade é algo que depende muito. No meu caso, a minha moto mantém uma boa média de velocidade, 100-110 km/h, porém, como o motor já tem certa idade, não costumo forçar. Há motos que podem ter médias melhores de velocidade, sem contar quando se enfrenta o grande trânsito nas cidades grandes, onde o deslocamento é mais fácil e rápido.

Saberiam apontar vantagens e desvantagens de diferentes estilos e tamanhos de moto para viajar?

Isso é muito pessoal do tipo de viagem de quem pretende, mas para não ficar em cima do muro, tem sim a favorita! As motos consideradas “todo terreno”, considero as ideais, as trail’s, algumas conhecidas também como Big Trail, questão de nomenclatura para motos trail (todo terreno) maiores. Sobre motorização, vai depender de cada um, pois há quem diga e que faça viagens com motos pequenas, os quais admiro. Em nossas viagens, prezo por uma moto pouco maior, pois nem sempre temos tanto tempo disponível e precisamos de rendimento nas viagens. Considero as motos todo terreno ideais, pois no próprio nome já diz. Dependendo para onde vamos, precisamos de algo com mais conforto para andarmos em terrenos ruins, assim como nas estradas em obras e o deserto na Bolívia, são motos projetadas para levar porrada e tem ótimas suspensões. A nossa escolha por uma moto Trail para viajar, foi depois da primeira viagem mais longa com uma Virago 250(Custom). Foi para Santa Catarina e pegamos longos trechos e terrenos ruins. Vimos que precisávamos de algo que nos desse mais prazer. Boas suspensões, boa altura do solo(motor do chão), tanque grande é essencial para nós. Aguentar peso também!

Como é a dispensa de mantimentos e a alimentação? Procuram preparar mais as refeições no camping ou comer fora? Caixa de gelo?

Costumamos sempre optar por uma refeição fora do camping. Quando o dia se passa na estrada e só o jantar acampando. As vezes almoçamos pela estrada e as vezes lanchamos para aguentar chegar no jantar. Optamos fazer comida para aquele momento. Nada de guardar. Arroz e enlatados são nossos favoritos. Somente quando vamos a praia, é que levamos bolsa térmica e enchemos de gelo para as bebidas. Tudo vai depender de onde estamos e o que vamos fazer., Um camping mais afastado de cidades, nos leva a preparar mais as refeições. Já em cidades mais turísticas, tentamos aproveitar a culinária local. Como foi o lanche com hambúrguer de carne de Ilhama – uma bela surpresa! Os cafés da manhã, acontecem mais quando vamos ficar o dia no local. Já quando precisamos pegar a estrada muito cedo, optamos por café no caminho ou nos preparamos para levantar mais cedo ainda e passar um café rápido.

Entendemos que motociclistas já são preparados para fortes chuvas no trajeto. E no camping ao chegar ou sair com chuva? Alguma técnica de montagem e desmontagem?

Complicado! A nossa barraca nos ajuda nesse caso, pois só precisamos jogar ela no chão, encaixar as duas varetas e esticar as pontas e pronto. Barraca molhada, temos que coloca-la dentro do saco plástico para não sair molhando tudo, e secar só no próximo camping.

Podemos afirmar que a liberdade do campismo é potencializado com a liberdade das duas rodas?

Com certeza! Assim como no campismo, a moto nos dá essa liberdade de escolha e vida. Confesso que me tornei uma pessoa bem mais tranquila quando optei por essa vida, quando estou planejando, viajando assim por vários dias, ou até mesmo os camping’s de final de semana, nos dá a sensação de vida sendo vivida. Assim como foi com a moto, ao iniciar acampar essa vontade só aumentou, e quando vejo pessoas pedindo dicas sobre acampar viajando de moto, e vejo também aqueles que falam que não vale a pena porque é cansativo ou pagar por hotel ou pousada, são as pessoas que buscam outros rumos. Acredito que viajar acampando nos dá outro olhar sobre tudo, principalmente vivendo uma viagem, sendo ela um simples final de semana ou explorando por ai por dias. É algo muito particular. Ou você vai amar ou detestar, pois isso já vem dentro de nós, só precisamos ativar esse lado. E hoje é assim, vamos viajar?! Vamos! E vamos acampar, né?!!! É assim que pensamos hoje. Tentamos ao máximo possível acampar. Somente onde não há essa possibilidade que temos que nos virar com um Hostel ou Pousada, mas o pensamento é viver uma experiência do local podendo tê-lo como nosso quintal, nem que seja por apenas um dia!

Agradecendo a participação fundamental do casal Ricardo e Iraê, guardamos um belo relato de viagens de moto deles acampando para outra reportagem. Se você gostou desde artigo, não deixe de mandar seus feedbacks ou relatos de suas viagens acampando.

Para acompanhar as aventuras do Ricardo e da Iraê, é só seguir o perfil deles no Instagram: 

https://www.instagram.com/ricardoindoida/https://www.instagram.com/iraelaia/

 

 

COMPARTILHAR

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. “O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza.”

  • Ricardo

    Agradecemos pela confiança e por poder compartilhar um pouco da nossa história.
    E vcs são um dos responsáveis pela nossa vida no campismo.
    Abraço!!!