O Carnaval, juntamente com o Réveillon é o feriado de mais movimento para os principais equipamentos turísticos no Brasil e em especial os campings. A maioria dos estabelecimentos relata que esta é a grande oportunidade de garantir movimento e consequentemente bons lucros. E é aí que mora o perigo.

Antes de escolher seu destino, pesquise atentamente o que você realmente busca para este feriado que, para muitos, é garantia de vários dias de folga.

Procurados pela grande maioria nesta época do ano, os campings do litoral são os mais “agitados” e aqueles que buscam sossego ou almejam uma garantia de respeito ao som alto e à família devem pesquisar bastante. Não são poucos os campings que “liberam geral” para a galera fazer barulho, ligar o som dos carros nas alturas e fazer muita festa. Neste caso, uma família que deseje sossego e tranquilidade não achará muito respaldo junto às administrações. Porém há campings que garantem esta tranquilidade fazendo valer regras internas ou até mesmo garantindo espaços democraticamente separados onde se pode curtir a folia ou passar noites tranquilas e silenciosas. Um bom exemplo é da rede de campings da Associação CCB onde as regras são rígidas e o costume de seus associados garante muita paz.

Já os campings de “interior” já podem ser encontrados de todos os tipos. Alguns com muito barulho e curtição e outros com maior tranquilidade. Os motivos são diversos, mas vão desde locais pouco frequentados até mesmo áreas de proteção ambiental que acabam convidando o acampante a um comportamento mais contemplativo em relação à natureza.

Cuidado! Há campings que prometem silêncio e tranquilidade até mesmo em suas regras escritas, mas abrem exceções no carnaval. Questione em sua consulta.

Como se Precaver?

– Entre em contato e informe-se sobre o funcionamento do camping de acordo com o que você procura para seu carnaval.

– Se buscar tranquilidade, certifique-se de que o camping garantirá tais regras, antes de adentrar no mesmo.

– Consulte avaliações e comentários de amigos ou colegas campistas sobre tais acontecimentos no camping. Avalie na volta.

– Caso algo o desagrade no camping, busque sempre a administração e nunca arrume briga diretamente com quem o incomoda.

– Pagamentos antecipados, busque sempre fazê-lo em cheque. Assim você poderá sustá-lo caso o camping não cumpra o prometido

Imprevistos acontecem em qualquer tipo de viagem e a pesquisa e a divulgação de opiniões são fundamentais para o sucesso de seu acampamento. E bom carnaval…



FICHA:
NOME: Carnaval
CONFIGURAÇÃO: Religioso (cristão)
SIGNIFICADO (Resumido): Comemorações pelos 40 dias de privações da Quaresma.
SIGNIFICADO PARALELO:  Um dos feriados mais comemorados pelos brasileiros, com festas, desfiles e micaretas com forte apelo pela sexualidade. Destaques para as festas do Rio de Janeiro e de Salvador.
DATA: Incerta: 40 dias antes da páscoa, que ocorre no primeiro domingo após a primeira lua cheia do outono (nosso, primavera no hemisfério norte).

SIGNIFICADO: O Carnaval é um período de festas regidas pelo ano lunar no Cristianismo da Idade Média. O período do Carnaval era marcado pelo “adeus à carne” ou “carne vale” dando origem ao termo “Carnaval”. Durante o período do Carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes. O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX. A cidade de Paris foi o principal modelo exportador da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nice, Nova Orleans, Toronto e Rio de Janeiro se inspirariam no Carnaval francês para implantar suas novas festas carnavalescas. Em 2005 o Carnaval de Salvador, Bahia, Brasil está no Guinness Book como a maior festa de rua do mundo[1]. Em Portugal, existe uma grande tradição carnavalesca, nomeadamente os Carnavais da Ilha da Madeira (donde saíram os imigrantes que haveriam de levar a tradição do Carnaval para o Brasil), Ovar, Loures, Podence, Loulé, Sesimbra, Torres Vedras e Sines, destacando-se o de Torres Vedras, Carnaval de Torres, por possuir o Carnaval mais antigo[carece de fontes?] e dito o mais português de Portugal[carece de fontes?], que se mantém popular e fiel à tradição rejeitando o samba e outros estrangeirismos[carece de fontes?]. Juntamente com o Carnaval de Canas de Senhorim com perto de 400 anos e tradições únicas como os Pizões, as Paneladas, Queima do Entrudo, Despique entre outras. Nos Açores, mais propriamente na ilha Terceira, reside uma das formas mais peculiares do Carnaval em Portugal, as Danças e Bailinhos de Carnaval. Esta tradição, tida como a maior manifestação de teatro popular em Portugal, remonta ao tempo dos primeiros povoadores e reflete um estilo teatral bem ao jeito dos Autos vicentinos.

CONTEXTOS / HISTÓRICO
 

A festa carnavalesca surge a partir da implantação, no século XI, da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma. Esse longo período de privações acabaria por incentivar a reunião de diversas festividades nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas, o primeiro dia da Quaresma. A palavra “carnaval” está, desse modo, relacionada com a ideia de “afastamento” dos prazeres da carne marcado pela expressão “carne vale”, que, acabou por formar a palavra “carnaval”.

Em geral, o Carnaval tem a duração de três dias, os dias que antecedem a Quarta-feira de Cinzas. Em contraste com a Quaresma, tempo de penitência e privação, estes dias são chamados “gordos”, em especial a terça-feira (Terça-feira gorda, também conhecida pelo nome francês Mardi Gras), último dia antes da Quaresma. Nos Estados Unidos, o termo mardi gras é sinónimo de Carnaval.

No período do Renascimento, as festas que aconteciam nos dias de carnaval incorporaram os baile de máscaras, com suas ricas fantasias e os carros alegóricos. Ao carácter de festa popular e desorganizada, juntaram-se outros tipos de comemoração e progressivamente a festa foi tomando o formato actual.

O Carnaval é um período de festas regidas pelo ano lunar no Cristianismo da Idade Média. O período do Carnaval era marcado pelo “adeus à carne” ou “carne vale” dando origem ao termo “Carnaval”.

Durante o período do Carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes. O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX. A cidade de Paris foi o principal modelos exportador da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nice, Nova Orleans, Toronto e Rio de Janeiro inspiraram-se no Carnaval francês para implantar as suas novas festas carnavalescas, sendo o Carnaval do Rio de Janeiro considerado o mais importante do mundo…

A festa carnavalesca surge a partir da implantação, no século XI, da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma. Esse longo período de privações acabaria por incentivar a reunião de diversas festividades nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas, o primeiro dia da Quaresma. A palavra “carnaval” está, desse modo, relacionada com a idéia de “afastamento” dos prazeres da carne marcado pela expressão “carne vale”, que, acabou por formar a palavra “carnaval”.

Carnaval de Loulé, Portugal – Fevereiro de 2006Em geral, o Carnaval tem a duração de três dias, os dias que antecedem a Quarta-feira de Cinzas. Em contraste com a Quaresma, tempo de penitência e privação, estes dias são chamados “gordos”, em especial a terça-feira (Terça-feira gorda, também conhecida pelo nome francês Mardi Gras), último dia antes da Quaresma. Nos Estados Unidos, o termo mardi gras é sinônimo de Carnaval.

No período do Renascimento as festas que aconteciam nos dias de carnaval incorporaram os baile de máscaras, com suas ricas fantasias e os carros alegóricos. Ao caráter de festa popular e desorganizada juntaram-se outros tipos de comemoração e progressivamente a festa foi tomando o formato atual.

O Carnaval é um período de festas regidas pelo ano lunar no Cristianismo da Idade Média. O período do Carnaval era marcado pelo “adeus à carne” ou “carne vale” dando origem ao termo “Carnaval”. Durante o período do Carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes. O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX. A cidade de Paris foi o principal modelos exportador da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nice, Nova Orleans, Toronto e Rio de Janeiro se inspirariam no Carnaval francês para implantar suas novas festas carnavalescas sendo o Carnaval do Rio de Janeiro considerado o mais importante do mundo.

Vai Passar
Chico Buarque

Vai passar nessa avenida um samba popular
Cada paralelepípedo da velha cidade essa noite vai se arrepiar
Ao lembrar que aqui passaram sambas imortais
Que aqui sangraram pelos nossos pés
Que aqui sambaram nossos ancestrais
Num tempo página infeliz da nossa história,
passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia a nossa pátria mãe tão distraída
sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações
Seus filhos erravam cegos pelo continente,
levavam pedras feito penitentes
Erguendo estranhas catedrais
E um dia, afinal, tinham o direito a uma alegria fugaz
Uma ofegante epidemia que se chamava carnaval,
o carnaval, o carnaval
Vai passar, palmas pra ala dos barões famintos
O bloco dos napoleões retintos
e os pigmeus do boulevard
Meu Deus, vem olhar, vem ver de perto uma cidade a cantar
A evolução da liberdade até o dia clarear
Ai que vida boa, ô lerê,
ai que vida boa, ô lará
O estandarte do sanatório geral vai passar
Ai que vida boa, ô lerê,
ai que vida boa, ô lará
O estandarte do sanatório geral… vai passar

 

COMPARTILHAR

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. “O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza.”