Campismo possui vários significados para os amantes da prática. A forma de hospedagem de alto grau de contato com a natureza também pode ser considerada esporte, lazer, hobby e até mesmo “estilo de vida”. Assim como conhecemos pessoas que preferem uma pousada com café da manhã a dormir em uma barraca, há muitos que tem predileção por levar a sua própria casa em qualquer lugar, preparando seus alimentos e dormindo em sua própria cama. O melhor de tudo é que assim se pode repousar bem mais perto do destino ou por que não nele.

Injustamente apelidado de “hospedagem alternativa” os campings não só representam uma grande opção de pouso para o turista, como também uma forma imensamente amiga da preservação da natureza, já que além de inserir o indivíduo em seu âmago ainda promove o menor impacto ambiental possível em sua implantação. Em outros continentes o campismo é historicamente visto como fator preponderante na diminuição de derrubada de matas para a construção de casas de veraneio ou hotéis e pousadas. Mais do que maravilhas naturais e preservadas que o nosso Brasil já possui, é preciso que a cultura seja disseminada, fomentada e adquirida. Nosso país está em franco crescimento em diversas áreas e este é mais um assunto importante a ser discutido em nosso cenário ecoturístico.

Um Pouco de Campismo

Muitas são as formas de campismo. O de aventura, através das trilhas, trekkings ou montanhismo se faz a forma mais saudável e conveniente de pouso e proteção, visando equipamentos cada vez mais modernos, compactos e leves. O campismo familiar já está ligado muito ao estilo de vida e a curtir os momentos do acampamento – este tendo mais ambientes e acessórios que buscam o conforto – podendo estender a estada por semanas. Os locais também definem tipos de acampamentos, como os selvagens, onde o indivíduo busca o distanciamento total da vida urbana se aventurando em locais inóspitos e desabitados; Os improvisados, onde não se conta com estruturas físicas em locais próximos a pontos de interesses como praias ou cidades; Ou enfim nos “campings organizados” configurados como estabelecimentos dotados de espaço físico e equipamentos e recursos que proporcionam conforto e segurança para o turista.

Todos os destinos combinam com camping. Praia, Campo, Serra (altitude), centros urbanos, eventos públicos, de calor ou frio extremos ou até na visita aos amigos e familiares. Não estranhe se seu hóspede quiser acampar em sua casa, mesmo que no quintal cimentado ao invés de ficar em uma cama carinhosamente preparada… é paixão mesmo.

A prática do campismo está em franco crescimento no Brasil, mas já foi maior nas décadas de 1960, 70 e início dos 1980 tendo um declínio devido ao aumento dos equipamentos de hospedagem mais tradicionais além de outros fatores mais característicos e pontuais. Tanto naquela época quanto hoje um importante setor do campismo cresceu (e cresce) muito que é o CARAVANISMO – O uso de veículos de recreação como abrigo. São os trailers, motor homes e campers que são preparados sobre reboques ou veículos automotores que já contam com a “casa” montada full time. Cama, mesa, cozinha e banheiro a disposição do viajante que leva o lar nas costas.

A atual década já resgatou o campismo como estilo de vida e turismo familiar, tendo ganhado novos adeptos, novas famílias com crianças, novos campings surgindo e até mesmo fábricas e importadoras de equipamentos e acessórios. A mídia de forma geral também tem se interessado pelo tema. O foco daqui pra frente, além do fomento da atividade, será sem dúvida as discussões e defesas de tese que levem o campismo a ser visto pelos grandes poderes econômicos e principalmente pelos poderes governamentais.  Explorar a atividade em prol da democratização do turismo e da importância que o campismo pode ter para o meio ambiente e as áreas de preservação, parques e reservas florestais.

Não há melhor sensação do que estar inserido na natureza. Dormir ao som da mata e acordar sob o canto dos pássaros ou do mar. O mundo é o quintal e o céu tem todas as estrelas que se precisa para se pernoitar.

 

COMPARTILHAR

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. “O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza.”