Apoiar o campismo - Editorial Fethesp
 
Em uma série de reportagens especiais no jornal da FETHESP (Federação dos Empregados em Turismo e Hospitalidade do Estado de São Paulo) em dezembro, o Portal MaCamp se fez presente em grande parte das reportagens que visam o fomento e a divulgação do CAMPISMO para o Brasil.

Confira o editorial escrito pelo Diretor Responsável Rogério Gomes e o Jornalismo e Diagramação de Leonardo Lelis.

Apoiar o campismo

Acampar é uma modalidade turística e de lazer que já foi mais praticada no Brasil. Essa atividade teve seu melhor momento aqui nas décadas de 1970 e 1980, quando as famílias aproveitavam férias e tempo livre na natureza, bem diferente dos dias de hoje em que a vida urbana e a tecnologia têm um papel decisivo em unir aqueles que estão distantes e separar os que estão próximos.

Apesar de os campings já terem sido mais populares, o assunto voltou recentemente a ganhar destaque no noticiário com a realização de grandes eventos no Brasil, entre eles a Copa do Mundo FIFA, a feira de tecnologia Campus Party e a Jornada Mundial da Juventude, que marcou a visita do Papa Francisco ao País. Nesses três acontecimentos tivemos multidões que se instalaram em barracas e trailers nas cidades.

Ainda que esses tipos de acampamento sejam diferentes da forma tradicional, que se pratica na natureza, eles revelam a existência de um setor turístico pouco explorado no Brasil e que, em alguns países, é um mercado que atrai milhares de turistas e movimenta milhões de dólares.

Muito comum nos Estados Unidos, na Europa e em alguns países da América Latina, como Argentina e Chile, o campismo tem diversas formas, sendo que a maior parte delas se pratica em barracas, em clubes de camping, no litoral, nas serras, entre outros locais. O caravanismo, uma vertente, é praticado em veículos recreativos, como trailers, motor homes e campers.

Trata-se de uma atividade saudável, divertida, relaxante e democrática, em que se pode encontrar praticantes de todos os estilos e classes sociais, incluindo famílias, amigos, casais, aventureiros, viajantes, etc. É também a forma mais participativa em relação ao meio ambiente, a que menos desmata ou constrói, além de se encaixar em programas de preservação, como parques e outras áreas de proteção onde não se podem instalar hotéis ou pousadas.

A FETHESP entende que o campismo é um segmento extremamente positivo e produtivo na área do turismo que, embora esteja abandonado no Brasil, tem muito potencial como ferramenta de propulsão econômica e, consequentemente, geração de renda e empregos.

Para impulsionar o setor é preciso saber aproveitar as vastas riquezas naturais do Brasil, combinando isso a outros fatores de igual relevância, como qualificar os trabalhadores, certificando os profissionais por atividade, e incentivar o empregador a investir nesse tipo de negócio.

Promover a capacitação do trabalhador é fundamental e estratégica nesse cenário para poder atender com qualidade o turista em todas as áreas, desde a recepção ao público até a preparação da infraestrutura nas cidades.Cria-se, dessa forma, um ciclo extremamente benéfico para todos, inclusive para a categoria: A qualificação dos profissionais ajuda a proporcionar um bom atendimento ao turista, que ao ter uma experiência positiva será estimulado a retornar no futuro, movimentando o turismo e, consequentemente, promovendo a criação de postos de trabalho, geração e manutenção de renda.

Para encorajar essas ações, o Ministério do Turismo e os bancos poderiam colocar à disposição dos empregadores do segmento linhas de crédito específicas para revitalizar, investir e construir campings adequados, com estrutura de banheiro, eletricidade, área para acampar, cozinha comunitária e outras estruturas de lazer. Vale lembrar que esse tipo de incentivo já é dado para a construção de alguns empreendimentos turísticos, como os hotéis e pousadas.

Já o governo e o Congresso Nacional poderiam colocar em pauta a discussão de uma legislação específica para acampamentos, que ainda não existe, criando, entre outras coisas, áreas de camping dentro de parques nacionais, que hoje são proibidas, e regulamentando o setor para encorajá-lo.

A FETHESP também espera que, com a eleição, os parlamentares que estão chegando possam olhar para os campings como uma modalidade saudável e vantajosa, buscando no exemplo norte-americano e europeu de campismo um modelo de desenvolvimento turístico a ser seguido. Em breve o Brasil será sede dos Jogos Olímpicos e irá novamente receber milhares de turistas estrangeiros. Será uma boa oportunidade para saber se as autoridades aprenderam algo com os erros de organização da Copa.


 

COMPARTILHAR
CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. "O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza."