Apesar do foco ser totalmente focada na tecnologia da informação, para o público geral o que muito chama a atenção é o grande salão de barracas perfiladas no pavilhão coberto que este ano acontece no Anhembi na cidade de São Paulo. Muito se pergunta se esta modalidade pode ser considerada “acampar”. Será?

Um dos maiores eventos de tecnologia do mundo reúne profissionais de diversas áreas de atuação que desenvolvem projetos, temas e principalmente buscam a troca de informações. Vindos de todos os Estados brasileiros, os “campuseiros” (como são chamados os participantes) têm a opção de passar todos os dias no evento se hospedando em pequenas barracas iglu. Muito nos perguntam se isso é “acampar”. Dependendo do ponto de vista sim.

Acampar significa basicamente “levar seu próprio abrigo para onde for”, e no caso mais popular que inclusive é foco do MaCamp, o acampamento está muito ligado ao TURISMO. Porém é preciso lembrar que o acampamento pode estar ligado a outras áreas, inclusive às origens da modalidade turística que foram as expedições militares e os sistemas educacionais.

É claro que quando falamos de campismo ligado ao turismo, as atividades ao ar livre com ligações com os hobbys familiares ou bases para esportes de aventura, fica difícil de considerar o acampamento de uma Campus Party como “acampar”. Porém a modalidade “eventos” do campismo é uma realidade podendo se encaixar nos eventos tecnológicos ou mesmo em festivais de música e arte onde o pernoite em barracas são muito presentes no mundo. No caso da Campus Party vemos uma importância muito grande da proximidade do “leito” aos grupos de trabalho onde o indivíduo conta com sua “célula” de descanso a poucos metros sem sequer sair da própria feira. Outra coisa bacana é uma característica muito presente no campismo familiar onde os “campistas” podem mesmo em seus momentos de pré-descanso, refeição e afazeres particulares continuar interagindo com seus vizinhos, o que não acontece quando hospedados em quartos de hotéis. Após todo este contato humano, é possível descansar em um abrigo que o protege visualmente, um pouco da luz, de mosquitos e de sujeira garantindo um descanso merecido.

Portanto, apesar de estar muito distante da realidade de um acampamento familiar turístico ou de aventura, o campismo de eventos pode ser uma modalidade de hospedagem bastante agregadora ao ser humano e ao propósito do evento.

 

COMPARTILHAR

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. “O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza.”