Confira a aventura dos cicloturistas acampando em Ilhabela e Bertioga.

Além de terem feito toda a pesquisa baseada no GUIA MACAMP, puderam também contribuir com avaliações ao final da viagem, tornando o nosso guia ainda mais atualizado e rico em informações. Confira esta aventura no blog (abaixo) e contribua você também com suas avaliações no portal MaCamp. 

BIKE – Estrada da Petrobrás

          Todos que conhecemos foram com carro de apoio… mas a vontade de pegar a estrada foi maior.

1º DIA: – SUZANO – SALESÓPOLIS

Distância: 59 km
Tempo total: 5:10 hs
Tempo pedalando: 3:25 hs
Calorias: 1890 kcal
Subida acumulada: 493 m

          Marinheiros de primeira viagem, tanto o Cezar quanto eu nunca tínhamos acampado. Mas a vontade de começar no cicloturismo foi mais forte e resolvemos investir nos equipamentos. Barracas, bagageiros, alforges… tudo o necessário para um camping leve. Não nos preocupamos com fogareiros e comidas desidratadas pois todas as paradas seriam em cidades.

          Depois de muita escolha, compramos os alforges da marca Arara Una de 16 litros cada. Impermeáveis, costuras reforçadas e por um preço justo, ainda mais por ser de indústria brasileira! Gostamos muito e depois de tanta buraqueira que pegamos sem nenhum tipo de problema tivemos a certeza de ser um excelente equipamento. Quanto ao tamanho, era o que estávamos esperando e coube tudo o precisamos levar com folga.

           Todas as informações sobre campings pegamos no site Macamp. Muito completo e atualizado, possui uma ferramenta fantástica de localização pelo mapa, o que facilita muito achar as opções nos locais que você pretende acampar.

          Saímos de Suzano por volta de uma hora da tarde. Afinal o caminho até Salesópolis já era bem conhecido, além de ser boa parte plano e totalmente asfaltado. Chegamos no camping ainda com bastante claridade pra armar as barracas e esperar a noite chegar.

          Ficamos no Camping Portal, bem ao lado do Portal de entrada da cidade. Mas de camping tem somente o nome, pois não há infra estrutura nenhuma! Não havia local plano para armar a barraca. Sem pontos de energia próximo. O banheiro é dentro da casa dos donos, sem privacidade nenhuma. Ou seja: é um ótimo lugar para não acampar na praça da cidade.

2º DIA: – SALESÓPOLIS – CARAGUATATUBA – ILHABELA

Distância: 95 km
Tempo total: 15:30 hs
Tempo pedalando: 8:45 hs
Calorias: 3967 kcal
Subida acumulada: 2171 m

          Acordamos às 6hs para arrumarmos tudo e cairmos na estrada. Por mais que se deixe as coisas prontas, o tempo para levantar o acampamento e arrumar tudo nas bikes é longo e acabamos saindo 7hs pro pedal.

          Nossa expectativa era um dia duro de pedal, mas a realidade foi bem pior. A estrada da Petrobras é como uma montanha russa onde se está o tempo inteiro subindo e descendo. Mesmo na região da serra. Do início da estrada até o ponto mais alto (1225m) são aproximadamente 20km só de subidas e o ganho de elevação chega a 1000 metros.

          Depois deste ponto começam as descidas, mas não se consegue desenvolver uma boa velocidade pois há muito cascalho e pedras grandes soltas. A altimetria desce até uns 500m onde se entra em um vale do km 45 até o 55 e este é o pior trecho de todos, pois em certo ponto voltamos aos 750m com umas subidas muito fortes. Todas estas subidas acabam acumulando mais de 900m de ganho fazendo o total da estrada chegar próximo dos 2000m de subidas acumuladas!

          Por volta do km 30 há um rio bem calmo que forma uma piscina muito boa pra refrescar, e depois deste ponto há mais duas cachoeiras onde também é possível entrar.

          Não há muitos pontos com vista para se apreciar. E em nenhum momento é possível ver o mar. Isto acabou frustrando um pouco nossas expectativas. Afinal, por estarmos tão alto imaginávamos que teríamos belas paisagens. Mas a estrada é com mata muito fechada e foram poucos os locais bonitos para tirar fotos.

          Acabamos concluindo os últimos km no escuro e chegamos na Rio-Santos as 19hs com um total de 7hs pedalando.

          Paramos em um mercado e compramos água e comida para enfim seguirmos mais 20km pelo asfalto até Ilhabela. A estrada é boa com uma serrinha bem leve entre Caraguatatuba e São Sebastião e somente em um trecho de uns 300m, já quase chegando em São Sebastião, não havia acostamento. Daí até o centro fomos pela ciclovia. Pegamos a balsa e finalmente chegamos no camping em Ilhabela às 22hs.

3º DIA: – ILHABELA

Distância: 9 km
Tempo total: 1:20 hs
Tempo pedalando: 52 min
Calorias: 239
Subida acumulada: 103 m

          Ficamos no Camping Palmar, bem próximo à balsa. Este sim um camping de verdade com toda a infra-estrutura necessária. A diária saiu por R$40/pessoa.

           Acordamos quebrados e resolvemos abortar a ida para Castelhanos. O calor estava forte e encarar mais 700m de subida seria muito difícil. Então resolvemos dar uma volta pela ciclovia, almoçamos e fomos para a rodoviária para voltarmos pra casa.

           E foi aí que começou mais uma novela: não conseguimos ônibus para Mogi e pegamos para o Tietê que demorou quase 5hs pra chegar em São Paulo devido ao trânsito. De lá pegamos o metrô para a estação da Luz e o trêm para Suzano. Quando chegamos em Guaianases, o trem para Mogi não estava circulando e tivemos de ir de ônibus (operação PAESE). Chegamos em casa depois da 23hs! Ô perrengue!

Apesar de toda a dificuldade, gostei muito de viajar de bike e acampar. Uma pena que a estrada, apesar de bonita, não tinha as vistas que imaginávamos. Mas é sempre assim: apanhando que se aprende! Bora pra próximas Cezar Freitas!!!

TOTAL: SUZANO – ILHABELA

Distância:  163 km
Tempo total: 22:00 hs
Tempo pedalando: 12:22 hs
Calorias: 6096 kcal
Subida acumulada: 2767 m

fonte: http://veloso-sp66.blogspot.com.br/2014/10/bike-estrada-da-petrobras.html?


 

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. "O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza."