Deixa a Vida Me Levar
 

A matéria seguinte foi publicada no Correio Brasiliense
 
Artigo: Correio Brasiliense
 
Deixa a vida me levar…

Eles passam meses cruzando o país, sem sair de casa, viajando pela natureza em seus motorhomes

Leandro Bisa
Da equipe do Correio

Para algumas pessoas não há nada melhor que passar férias, fins-de-semana e feriadões em casa, mesmo que estejam viajando. Afinal, elas podem levá-la para qualquer lugar. São os donos de motorcasas e trailers, ou motorhomes, uma nova mania. Qualquer pausa no trabalho é razão para juntar a família e pegar a estrada rumo ao interior ou ao litoral. A prática, dizem os adeptos, além de um estilo de vida, é uma forma econômica de viajar. “Seja para passar poucos dias em campings, em cidades do interior, próximo a natureza, ou ficar meses em determinada região e conhecer várias cidades. Não há por que se preocupar com nada se você, afinal, está em casa”, lembrou o economista Antônio Luiz de Andrade Cruz, 50 anos.

Cruz disse que se apaixonou pela estrada há 12 anos quando estava em uma pousada em Porto Seguro (BA). “Todo ano viajava com a família e ficava em pousadas ou hotéis. Recebi um convite para conhecer um camping. Quando vi aquilo, fiquei doido. Queria sair da pousada e ir para lá na mesma hora”, disse o economista. Ele afirmou que, ao voltar para Brasília, tentou alugar o trailer de um colega de trabalho. “Ele não quis, mas insisti tanto que, tempos depois, ele me vendeu o trailer.”

O servidor público, a mulher e os dois filhos já conheceram todas as capitais das regiões Nordeste e Sul, cidades históricas e reservas ambientais de Goiás, além de dezenas de praias, segundo ele, paradisíacas. Cruz chegou a morar um ano no trailer na época em que construía sua casa, no condomínio Ville de Montagne, no Lago Sul. “Gastava muito com a obra e combustível, pois tinha que visitar o canteiro diariamente. Então aluguei minha casa no Guará e, com a economia da gasolina e o aluguel, construí a casa que sempre sonhei.”

O economista vendeu o trailer em novembro do ano passado e comprou uma motorcasa. O veículo tem lugar para seis pessoas dormirem, geladeira, banheiro com vazo sanitário e chuveiro, fogão, geladeira, gavetas para guardar malas, panelas e talheres. Tem até uma espaçosa garagem onde Cruz leva uma moto. “Meu orçamento não muda com as viagens. Ficar nos melhores campings custa, no máximo, R$ 20 por dia. Meu próximo projeto é ir para a Europa, alugar uma motorcasa e conhecer vários países”, planeja o economista, que fraturou a perna direita na última viagem que fez, em 7 de setembro. A lua estava cheia, ele resolveu caminhar por uma trilha e acabou tropeçando.
On the road
Luiz Edgar Tostes, 70 anos, além da Europa, já percorreu os Estados Unidos em uma motorcasa. No Brasil, já conhece todas as regiões. “Comprei meu primeiro trailer em 1972”, conta o aposentado, hoje presidente da Associação Brasileira de Campismo (Abracamp). Tostes afirmou que existem cerca de 40 motorcasas no Distrito Federal. Para ele, a indústria brasileira de trailers de turismo começou a quebrar há oito anos. Por isso, quem tem o veículo, geralmente, tenta substituí-lo por motorcasas.

O presidente da Abracamp explicou o Código Brasileiro de Trânsito de 1998 determinou que apenas pessoas com carteiras de habilitação categoria E, a mesma exigida para dirigir carretas, podem rebocar trailers. E, para guiar as motorcasas, só com carteira categoria D. “Isso é só no Brasil. Na Europa, nos Estados Unidos, Argentina, Chile, Austrália e na maioria dos países não precisa ter carteira especial. Nesses lugares, esse tipo de turismo é muito bem evoluído”, reclamou. Um projeto de lei que autoriza motoristas com habilitação B a dirigir e rebocar esses veículos tramita no Congresso desde 2002, segundo Tostes, a passos de tartaruga.

Tostes comentou que o preço de uma motorcasa varia entre R$ 40 mil e R$ 200 mil. O custo mensal é o mesmo que o de vans, pequenos caminhões e ônibus. “É a mesma coisa. A motorcasa é um veículo adaptado. Para comprar um zero quilômetro é preciso entrar em contato com os fabricantes e pedir a adaptação”, explicou Tostes, que já possuiu três trailers e dois motorcasas. Um trailer em bom estado custa entre R$ 10 mil e R$ 25 mil. “Comecei isso em 1972.

Tinha cinco filhos e as viagens acabavam saindo caras. Então comprei o trailer”, lembrou o veterano das estradas. Após passar um mês entre Rio de Janeiro e São Paulo, ele votou a Brasília na última quinta-feira. Em dezembro, parte para o Nordeste, onde pretende ficar por, no mínimo, dois meses.

Como ainda não se aposentou, o empresário Darcy de Bem Filho, 47 anos, não pode passar meses na estrada. Mas isso não o impede de viajar sempre. Aos finais de semana, parte para cidades próximas de Brasília. São viagens curtas, de 200 a 400km. Darcy passou três anos adaptando um ônibus para fazer sua primeira viagem. Não parou mais. O filho mais novo dele, por pouco, não nasceu no veículo, em fevereiro de 2002. “Eu cheguei em Brasília, saí da motorcasa e levei a mulher para o hospital. O menino nasceu no dia seguinte”, lembrou com alegria.

Darcy explicou que a vontade de ter uma casa móvel não nasce do nada. “Eu era acostumado a acampar com meu pai. Cresci pensando que um dia teria uma motorcasa. Achava bem mais prático que a barraca. Segundo o empresário, para pegar a estrada é preciso, antes de mais nada, espirito aventureiro, gostar de natureza e interação com outras pessoas. Sem esses pré-requisitos, não há conforto que garanta a viagem. “O melhor é a informalidade. Podemos chegar e sair de um local na hora que bem entendermos. Se estivermos em um hotel, não é bem assim. Com a motorcasa, posso ir onde o sol está”, destacou.


 

COMPARTILHAR
CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. "O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza."