RE: Lonas

#60323

Olhando nas fotos parecem mesmo coisa tecnicamente bem feita, mas na realidade sempre sofremos neste quesito “lona”….. era um tempão perdido no “amarra – desamarra”, puxa, despuxa”… solta e vamos começar tudo de novo…… A idéia central era sempre esticar uma corda grossa e grande para fazer a cumeeira. Dela sairiam as “águas” que dariam as quedas necessárias para não formas as famosas “bacias”. Temos uma corda de 20m grossa para isto e usamos um nó que é usado para esticar a amarra toda apenas puxando a mesma. Depois o segredo é ir atirantando os ilhoses de dois em dois e depois ir puxando os restantes para baixo. Usávamos cordas de nylon com rodelas recortadas de câmara de pneu para no caso de vento a lona não rasgar com a tensão. Mas o ideal no uso de cumeeira é usar as famosas “aranhas” elásticas em cada ilhós, pois acaba tendo uma elasticidade contra rasgo. E toda esta teoria depende da bondade do tempo, porque se o São Pedro lá de cima mandar aquela água típica de verão…. não há engenharia que dê jeito e o destino é o famoso perrengue. Mas o pior de tudo isso (eu comentava com o Alê esses dias) é que toda essa neura da lona era porque tivemos uma época bem ruim das barracas (anos 2000 – 2010) que tinham a impermeabilização péssima. Virava e mexia nosso travesseiro estava todo molhado da água que penetrava do sobreteto. No meu caso ambas as barracas são NAutika. A Ilhabela já tem 16 anos de uso e ainda dá pra entender… mas nossa Indy 5/6 (tao sonhada) sempre entrou água…. e olha que só usamos umas 5 vezes. A última resolvemos comprar aquele monstro de lona 8X7…… que deu um acampamento incrível em Paraty, mas êta trabalhão……. fora o volume que aquilo tomava. Hoje esta 8X7 mora no Rio de Janeiro e está em ótimas mãos…. mas pelo jeito o novo dono dela ainda não teve coragem de levá-la pra passear….rs

Marcos Pivari - CEO e Editor do MaCamp