RE: Manu e o Mundo Acampando…

#57293

420° ou quase isso Ubatuba-SP – Camping Itamambuca Outubro de 2014 Dia das crianças a gente passa brincando… então levamos a Manu pra brincar na praia! Aproveitamos a ocasião para fazer algo que já queríamos ter feito há tempos, que era levar a Manu pra acampar de barraca. Na verdade íamos fazer isso em novembro do ano passado, nesse mesmo camping, mas na época o camping já estava cheio e não conseguimos fazer reserva. Pra gente, que hoje acampa de trailer, era muito importante que a Manu acampasse logo de barraca, para que ela vivesse essa experiência e experimentasse coisas diferentes.Foi assim que eu comecei a acampar, há dez anos atrás, foi assim que eu me apaixonei pelo universo campista. Eu, particularmente, adoro a barraca, principalmente dormir nela. É lógico que o trailer traz comodidades muito legais, como a praticidade de estar quase tudo pronto, ter seu próprio banheiro e cozinha, estar longe do chão em dias de chuvas fortes. Mas eu ADORO dormir na barraca, e estava com saudades de acampar assim. Na barraca a gente se sente mais inserida na natureza. Nela, ao contrário do trailer, a gente ouve os grilos, o vento e o movimento das árvores de forma clara. O mesmo acontece com o som do mar e dos rios. Acampar de barraca é muito legal e pode ser muito confortável também, desde que haja uma organização prévia. Para quem nunca acampou e quer se aventurar, o MaCamp conta com um excelente guia para iniciantes. Antes de ir, é importante pesquisar sobre o camping escolhido e entrar em contato com o estabelecimento para ver se está aberto/funcionando. Nunca vá pra um camping sem ligar antes, se você não quiser ter dor de cabeça. O camping escolhido foi o Itamambuca Eco Resort, em Ubatuba, SP. Esse camping é considerado, em muitos lugares, um camping 5 estrelas. Tem lugar até que diz que é o melhor camping do Brasil, o que na minha opinião não é verdade. O camping é sim muito bom, já que tem uma localização privilegiadíssima, fica entre dois braços de rio, os mesmos que separam o camping da praia. Fora a localização, o serviço e a infra-estrutura são bons, o que se deve mais ao fato de o camping estar dentro de um resort (esse sim 5 estrelas) do que pelo camping em si. Os banheiros são bons, mas são antigos, e dos 5 chuveiros quentes do banheiro feminino, apenas dois de fato esquentavam, sendo que um deles saía uns 5 jatos de água, pois estava com os furinhos todos entupidos. Reclamamos na administração, que nada fez, e essa falta de atendimento ao campista conta muito na hora de classificar um camping como excelente. O restaurante que atende à área do camping estava fechado, pois só abre em alta temporada, mesmo tendo mais de 50 barracas naquele final de semana. Tirando essas coisas, que para o campista de verdade são de suma importância, o camping ainda sim é muito bom, principalmente por sua localização, e vale a pena a visita. E pretendemos sim voltar lá. Ah, ia me esquecendo. Antes de ir é preciso entrar em contato com eles e fazer uma reserva, pagando 50% antecipadamente. É preciso fazer reserva porque caso você chegue lá e o camping esteja lotado, você não vai nem poder entrar, o que já aconteceu conosco uma vez. a entrada do camping pela praia a praia camping camping o rio e a praia vistos de onde montamos a barraca Quanto ao que levar: em primeiro lugar, não se assuste com o fato de haver um bebê ou criança envolvidos no acampamento, porque eles não exigem grandes coisas nem grandes tralhas. Crianças são simples, aprenda com elas! Geralmente quem complica é o adulto, que também é o dono/dependente da tralha. Criança precisa de atenção, de carinho, uma área sombreada e comida de qualidade, além de uma malinha com roupas e os produtos de higiene. Todo o resto necessário para acampar independe de haver ou não criança envolvida. Algumas dicas: não leve carrinho de bebê, um milhão de brinquedos, banheira. O carrinho de bebê vai ocupar um espaço precioso e, sinceramente, é desnecessário, principalmente se o destino for a praia. Um sling ou canguru são mais que suficientes, e vão tornar passeios e caminhadas muito mais fáceis, tanto na questão do acesso aos lugares quanto no fator aconchego/sono. Se o bebê for bem pequeno, também dá pra usar o bebê conforto que obrigatoriamente será levado em uma viagem de carro, não ocupando assim espaço extra. Brinquedos, leve o mínimo possível, que possa ser usado para a criança se distrair no carro durante a viagem e no caso de praia, algum baldinho ou coisa parecida. Lembre-se que a viagem por si só já é um grande atrativo para a criança, que ela terá todo um novo espaço para ser explorado. Abra espaço para que a criança interaja com a natureza e as possíveis novas amizades que o camping proporcionará. Na hora do banho, organize um esquema com a pessoa que te acompanhar na viagem, seja o pai/mãe, um parente ou amigo: leve o bebê/criança para tomar banho com você, no colo mesmo, e peça para a outra pessoa pegá-lo quando terminar, para que você possa tomar o seu próprio banho. Aqui em casa a Manu toma banho no chuveiro com a gente desde os 15 dias de vida e sempre foi muito tranquilo. No camping nós fizemos assim: eu ia de biquini para o banho com a Manu, e enquanto dava banho nela o Marcos tomava o banho dele no banheiro ao lado. Quando eu terminava, vestia um roupão na Manu e enrolava uma toalha nela e o Marcos a pegava na porta do banheiro feminino, e ia com ela para a barraca para vesti-la, enquanto eu voltava pro banheiro e tomava o meu banho, simples assim. Quanto à alimentação, acho que de todos os itens esse deve ser o que pode dar um pouco mais de trabalho, mas mesmo assim não é nenhum bicho de sete cabeças. Quando a Manu só mamava era mais fácil ainda, não precisávamos nos preocupar com nada. Agora que ela já come, a preocupação é garantir uma alimentação de qualidade para ela. A Manu não consome nenhum tipo de comida industrializada, então eu comecei a preparar algumas coisas com antecedência. Fiz um pão caseiro para levar, pão esse que seria o pão que nós consumiríamos e que a Manu também poderia comer se quisesse. Levei alguns potinhos com porções individuais de comida caseira congelada, que acondicionamos em uma caixa térmica com gelo, que na verdade é o item que dá mais trabalho, pois é preciso ficar de olho e colocar mais gelo antes que o anterior acabe. Dá trabalho mas não é um problema, já que geralmente sempre tem gelo à venda nos campings ou em lugares próximos a ele. No caso dessa viagem, até havia gelo à venda no camping, mas acabamos comprando em um mercadinho próximo, e só precisamos colocar mais gelo uma vez nesses 3 dias. No mais, levamos muitas frutas, legumes para cozinhar e arroz. Acho legal deixar para comprar carnes/peixes no local, na quantidade certa para consumir na refeição que será feita. Ah, e claro, levar bastante água para beber! No mais, segue uma lista dos itens que levamos para acampar. Nós geralmente levamos bastante coisa pro camping, porque gostamos de ter um mínimo de conforto. Antes do trailer nós usávamos uma carretinha que rebocávamos com o carro, onde ficavam todos os nossos apetrechos, que não eram poucos. Dessa vez fomos sem carretinha e levamos tudo no porta-malas do carro. Com isso redespertou nossa vontade de preparar a carretinha novamente. – barraca – lona para colocar embaixo da barraca (no caso esses plásticos pretos, baratinhos, que protegem o piso da barraca e ajuda a não sujar) – piso ecológico para colocar em frente à barraca – tenda – extensão e fio com soquete para iluminação – fogareiro e botijão de gás pequeno – apetrechos de cozinha: panelas, pratos, talheres, copos, balde, bucha, detergente, etc. – mesa pequena – cadeiras – colchão inflável, travesseiros, roupa de cama (incluindo um cobertor) – churrasqueira pequenininha (alguns campings tem churrasqueiras, então é um item dispensável) – caixa térmica – caixa de mantimentos – guarda-sol Bom, acho que foi isso. São poucas coisas, mas que garantem um acampamento com bastante conforto. Então vamos à viagem! Saímos de casa na sexta pela manhã, almoçamos na estrada, na região do Planalto, antes de descer a serrinha de Taubaté. Cinco horas depois estávamos no camping. Arrumamos as coisas e ainda deu tempo de aproveitar um pouco a praia e Manu tomou seu primeiro banho de rio. Ela amou, ficou eufórica, sem se importar com a água fria. nosso acampamento Manu estreando a barraca Manu estreando o rio quem tem medo de água gelada? Tomamos banho, jantamos e Manu capotou, dormiu super cedo. No meio da madrugada ela acordou, tamanha era a claridade lá fora. Até pensamos que já era de manhã, mas quando olhei no relógio eram 2 horas da madrugada. Fui lá fora olhar e aquele clarão toda vinha da lua, que estava bem ali, em cima de nós, brilhante e prateada, reinando com uma claridade incrível. Manu acendeu, e nós também. Nos agasalhamos, saímos da barraca e fomos dar uma volta na beira do rio pra fazer o sono voltar. O sono voltou e nós dormimos, até acordar com calor e a claridade, agora do sol. O sábado amanheceu lindíssimo, azul sem uma nuvem no céu. Passamos a manhã na praia, entre a água do mar e do rio. Voltamos para o camping para almoçar e assamos uma carne na churrasqueira. À tarde aproveitamos a piscina do camping e à noite teve janta comunitária com uns amigos que fizemos por lá. acabando de acordar na beira do rio… no rio na piscina na piscina na barraca Domingo amanheceu em meio à névoa e com vento gelado, e assim ficou o resto do dia, céu nublado mas sem chuva. Caminhamos na praia, passeamos pelo camping/resort, almoçamos e fomos dar uma volta de carro. À noite jantamos de novo com os novos amigos do camping. na balsinha que atravessa o rio caminhando na praia pelo camping Segunda o plano era ir embora logo cedo, mas o dia amanheceu lindo, e não deu pra resistir. Aproveitamos que acordamos bem cedo e fomos para a praia, já que a vida é uma só. Ficamos ali no rio e até fizemos stand up paddle na prancha de outros amigos que fizemos por lá. o mar o mar de cavalinho de cavalinho de cavalinho dentro do rio no rio no rio Quando o sol já tinha esquentado demais voltamos para o camping, arrumamos nossas coisas e fomos embora. Almoçamos em um restaurante ali perto, compramos cacau fresco e um cacho de banana ouro e subimos a serra. Chegamos em casa no final da tarde, depois de três horas e meia de viagem. Total rodado: 595 km dias

Marcos Pivari - CEO e Editor do MaCamp