RE: Ushuaia de Trailer-Relato

#49531
Capt.A330
Capt.A330
Participante

21/03: Saímos perto das 08:10 (o nascer do sol e a por, em estas latitudes, ocorre mais tarde que em Curitiba), e tomamos a Ruta 11, até a 40, que depois se transforma em 5, até o ponto onde entramos quando vinhamos de Isla Pavón, quando volta a ser a Ruta 3, numa fazenda chamada ” Güer Aike”: , http://www.panoramio.com/photo_explorer#view=photo&position=113&with_photo_id=86148281&order=date_desc&user=1887989 e recorremos aprox. 300 kms. até Rio Gallegos, capital da prov. de Santa Cruz. Abastecemos no posto YPF na Avda. principal, que tem o nome de Gral. San Martin, mas que continua sendo a Ruta 3,e é muito importante abastecer neste posto, pois não me lembro de ter visto outros no caminho até entrar novamente na Argentina em San Sebastian, Tierra del Fuego. Lembrar que de Rio Gallegos até a fronteira com Chile, são 69 kms., e se você tinha comb. extra, vai ter que verter o mesmo no tanque do carro; tem um supermercado Carrefour a 5 quadras do posto de Gallegos, mas lembre da proibição de entrar no Chile com alimentos não industrializados, inclusive queijos, salames, ovos, etc. http://www.sag.cl/ambitos-de-accion/por-que-no-se-pueden-ingresar-algunos-productos-de-origen-animal-y-vegetal-chile CUIDADO; nem pense em esconder o “jamón crudo” ou qualquer coisa proibida, mesmo naquelas tulhas que só você acha que conhece, pois eles tem cachorros que farejam drogas (camiseta do timão passa):D e comida, e são implacáveis nas multas; DICA: deixe só uma fruta ou verdura na geladeira, e DECLARE que SIM, está levando frutas, verduras, carnes, etc., pois se você esqueceu algum outro produto, a sua declaração vale para todos os produtos que encontrarem, e somente vão confiscar eles e destruírem na sua presença; repito, muito cuidado! AVISO aos navegantes: você tem algumas opções de paradas no percurso; tal vez seja interessante sair mais tarde, dormindo um pouco mais em El Calafate, e pernoitar num Camping ou posto em Rio Gallegos, para no outro dia cedinho, sair para tentar chegar de dia em Rio Grande ou San Sebastian, no posto YPF deste último, via Ruta 3, Carretera 255 e 257, tudo pavimentado até o ferry. 1ra. opção, a que eu fiz, totalizando 467 kms. via Ruta 3 até a fronteira (onde você não para no primeiro controle da Argentina, e sim no 2do., do Chile, a 800 mts., pois as alfandegas neste lugar são unificadas, e na volta, você para no lado Argentino): somar os dois percursos, por causa do Estrecho de Magallanes: (http://goo.gl/maps/OglmQ) + (http://goo.gl/maps/J4wkW) 2da. opçao: El Calafate-Rio Gallegos (aprox. 300kms.), e no dia sgte.: (http://goo.gl/maps/204EA) (http://goo.gl/maps/0rmAE), ou outra a seu gosto. Na 2da. opção, que acho mais interessante, porque dispõe melhor dos tempos para atravessar o Estrecho, e fica uma etapa melhor para chegar com tempo em Ushuaia noutro dia; eu optei pela 1ra., porque já tinha feito esta viagem, e conhecia a estrada no Chile, mas, reitero, para quem for a 1ra. vez com Trailer, a 2da. me parece melhor. Lembrar que de Rio Gallegos até a fronteira com Chile, são 69 kms., e se você tinha comb. extra, vai ter que verter o mesmo no tanque do carro. Lembrar da minha dica de vários dias atras: enquanto você estaciona devagar, fecha tudo, alguém já vai na frente para fazer a fila, com todos os doc. pessoais e do carro (levar canetas!). Bueno, chegamos no Estrecho de Magallanes http://es.wikipedia.org/wiki/Estrecho_de_Magallanes , e o vento, que em Rio Gallegos era forte (teve um senhor que num sinaleiro de Gallegos, me avisa; “cuidado con el viento!”), estava aumentando; o lugar é lindo, e faça a fila dos carros, não dos camiões, e peça para ficar no meio do ferry, pois eu não sabia esto, e fui o primeiro da fila à esquerda, e tive pouca margem para manobrar e sair no outro lado do estreito! Acho que foi lá que danifiquei o suporte do tanque d’água, que viria a perder depois. O tempo para atravessar é de 20 min. aprox., sem muito vento (se o vento for muito forte, se interrompe a travessia até o mesmo diminuir), num percurso de aprox. 4,6 kms, vale lembrar que em Punta Delgada, tem um farol e um pequeno museu nele; também, se o tempo permitir, suba na ponte do ferry, e poderá observar aves e golfinhos seguindo o ferry. O valor do ferry é de US$ 30 pela Triton e mais 30US$ pelo Guanaquito, no total de 60 US$, e se paga a bordo; (http://www.tabsa.cl/portal/index.php/es/servicios/2-cruce-primera-angostura): DICA IMPORTANTE: pagar em dólares, pois em Pesos Arg.$ a conversão é muito desfavorável, valendo perto de 8 Pesos o dólar, e tenha troco, pois nem sempre vão te dar o mesmo em dólares! Bem, atravessamos o Estrecho, felizes pela nova conquista, e somos “Bienvenidos a la Isla Grande de Tierra del Fuego! Seguimos pela Carretera 257, em direção à Cerro Sombrero http://es.wikipedia.org/wiki/Cerro_Sombrero , tudo em asfalto, ou melhor, concreto, que fica aprox. 42 kms. do Estrecho, e eu pensava dormir no posto de Cerro Sombrero, mas, ao passar na frente do Aero Club de Cerro Sombrero, tive uma ideia; porque não pedir permissão e dormir la, já que a tarde avançava? Bem, o Aero Club está abandonado parece faz anos, e como o vento estava muito, mas MUITO forte, decidi ficar lá mesmo, no “meio-resguardo” da diminuta estação de pax do aeródromo; bem , essa noite, não vamos esquecer nunca; o vento piorou, e pela minha experiencia de Piloto, calculo prox. de 90 kms/h, com rajadas perto dos 100 kms/h, e mesmo um pouco protegido pela casinha da estação de pax, e deixando a Triton engatada e aproados para o vento, o mesmo rugia, com rajadas, açoitando o Guanaquito, e mexia ele mais do que andar por estradas de chão com buracos! Foi algo que se não viver isso, não dá para acreditar! As ladies não dormiram muito bem, mas eu dormi com um sorriso nos lábios…aquilo era a Patagonia de verdade, dura, inclemente, mas bela como nenhuma outra! Mesmo com esse vendaval, o fogão e o aquecedor de passagem funcionaram bem, pudendo tomar banho todos, quentinho, e a bateria pode suprir bem as luzes e a bomba, nos dando total autonomia no meio daquele clima inóspito; ponto para o Guanaquito! Vejam o vídeo sobre o vento na região: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=nWE6Ibi-BZo#! Assim era o vento aquela noite em Cerro Sombrero… Foto 1- Chegando en Bahía Delgada, Estrecho de Magallanes. Foto 2- Ingressando ao ferry. Foto 3- “Vai, desembarca, Guanaquito, não tenhas medo de molhar as patinhas!” Foto 4- O ferry no Estrecho. Foto 5- Chegamos na Tierra del Fuego!


Fotos 6 a 10, Cerro Sombrero, nosso pernoite ao vento…