Kombi - KG-SAFARI no Especial da Webmotors
 
Confira uma reportagem especial do site WEBMOTORS que inclui ótimo video sobre a Kombi – Karmann Ghia – Safari genuinamente brasileira.

Kombi vira casa e percorre o Brasil
José Barazal se tornou um apaixonado pela perua da VW
fonte: http://revista.webmotors.com.br

A grande companheira de viagens do aposentado José Barazal é a sua Kombi Safari 1985.  O raro modelo produzido pela Karmann Ghia tem a estrutura de uma casa: há fogão, pia, banheiro, cama de casal e até para visitantes. Ao lado de sua esposa Ivanete Barazal, José roda o mundo. “Esta é minha quarta Kombi”, diz com orgulho.

Por que tanta paixão pela Kombi? “A visão de uma Kombi no meio de um congestionamento, de uma grande quantidade de veículos é única, ela sobressai”, explica. José e sua perua estreiam a série de vídeos ‘Eu e minha Kombi’, uma produção WebMotors em homenagem à despedia desta que é a perua mais querida do Brasil.

“Já visitei países como Argentina, Paraguai, Uruguai e Bolívia”, conta. O modelo trata-se de uma série especial com 450 unidades fabricadas entre 1970 e 1995. Hoje, porém, restam pouco mais de 200 rodando pelo país. O modelo avaliado em cerca de R$ 60 mil traz ainda um motor 1.6 de carburação dupla.

A história da Kombi

Pode parecer loucura, mas a Kombi não nasceu de um projeto interno da Volkswagen. A perua foi desenhada por Ben Pon, um holandês que trabalhava numa revenda da marca e sugeriu a produção de um veículo de carga sobre os chassis do Fusca. Deu certo. Produzida a partir de 1949, a Kombi ganhou o mundo e arrematou milhões de corações.

Por aqui, começou a ser produzida em 1957, sendo o primeiro Volkswagen de fabricação nacional, antes mesmo do Fusca. De lá pra cá foram 56 anos em diversas configurações: de passeio, furgão, picape e picape cabine dupla. Ganhou também uma série de apelidos, sendo corujinha, pão de forma e velha senhora os mais emblemáticos.

O primeiro nasceu por conta da semelhança da primeira geração com a ave, enquanto o segundo se devia à silhueta da carroceria parecida com a de um pão. Velha senhora se tornou por conta da idade do projeto.  Em 1976 foi a vez da Kombi passar pela primeira e única grande reestilização completa. De lá pra cá, apenas facelifts e toques de perfumaria.

A Kombi abandou o motor refrigerado a ar em 2005, quando adotou o propulsor 1.4 flex. Meia década depois, a perua deixa de ser produzida em São Bernardo do Campo (SP), quando ganha também a série especial Last Edition, com produção limitada em 1,2 mil carros e preço elevado a R$ 85 mil. Uma versão convencional sai por R$ 45 mil.


09-12-13 | Texto: Ricardo Sant’Anna | Foto: Bufalos


 

COMPARTILHAR

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. “O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza.”