Foto: Reginaldo Rizato
 

Assim como acampar, a bike é sem dúvida mais do que uma modalidade esportiva. A paixão vai desde esportistas casuais até o que curtem longos trechos e quilômetros a bordo da magrela. Acampar é uma forma de estender este passeio por dias aproveitando os equipamentos compactos que cabem na Mochila e na garupa. Pegamos carona no artigo do blog do aventureiro onde indica sete dicas para chegar ao litoral paulista de bicicleta e incrementamos este passeio com paradas em Campings.

Foto: Reginaldo Rizato

A estrada Mogi-Bertioga será o palco da descida e o Litoral Norte do Estado oferecerá os destinos regados de belas paisagens, relevos, badalação e muitos campings. Vale lembrar que para descer a Serra é preciso contar com experiência ou muita pesquisa quando não se contar com o apoio de veículos. Fábio Almeida do Pedal Nativo, que alimentou as informações do artigo original, reforça a importância dos itens e equipamentos de segurança na viagem, como capacete, roupa clara e luzes de sinalização com pilhas bem carregadas. Fábio também aponta as bikes “speed”como as mais apropriadas, mas que qualquer bicicleta servirá para o passeio.

Foto: Reginaldo Rizato

Para garantir a bike como único meio privado de transporte, nada como utilizar o trem da CPTM até a Estação Mogi, aonde será o ponto de partida da rodovia. Para quem não sabe, é permitido levar a magrela no trem inclusive durante semana nestas linhas, porém em horários alternativos. No final de semana já é permitido desde as 14h do sábado. Tudo sempre embarcando a bike no último vagão de cada trem. De lá segue-se pela SP-098 até Bertioga com todos os santos ajudando na descida.

“Para Fábio, o percurso é considerado moderado, já que, apesar do final ser na descida da serra, há diversas subidas no trecho de planalto. “Não chega a cansar os mais acostumados, mas pode surpreender os que pensam que ‘é só descida’. Também exige atenção o trecho de 4km antes do começo da descida, já dentro do Parque da Serra do Mar, onde não há acostamento. O ciclista deve se manter no lado direito da pista, sinalizando para os carros a sua posição”, acrescenta. O percurso é feito na estrada, próximo ao trânsito dos veículos, e por isso é indicado para ciclistas experientes. Além disso, o trajeto apresenta subidas que exigem um melhor preparo. “Eu fiz essa viagem há 2 anos e é muito gratificante chegar ao litoral por suas próprias pernas”, comenta Almeida.

Pesquisa, revisão da bicicleta, planejamento e equipamentos reservas com ferramentas são fundamentais, assim como protetor solar, alimentos e muita água. Fabio cita o Mirante do km 86 com vista para a Cachoeira do Elefante.

Neste circuito do Litoral Norte existem muitos campings. Ubatuba é a cidade que concentra o maior número, mas em todas existem ótimas opções de campings que estão na beira da praia e ao mesmo tempo na beira da Rio-Santos. São Sebastião se divide nos campings do Centrão ou das praias cujos nomes são mencionados como se fossem cidades. Quem nunca ouviu falar de quem vai para Maresias, Juqueí ou Toque-Toque? São praias do município. A Ilhabela pode ser acessada pela balsa e como você e sua bike serão considerados “pedestre” a travessia será rápida. Lá temos um circuito que pega toda a extensão oeste da Ilha aonde é urbanizada e a partir do centro ainda existe a estrada de terra que corta até  o leste da ilha na famosa Praia de Castelhanos. Bertioga também guarda ótimas paragens. O Centro fica no extremo Sul bem na balsa de acesso ao Guarujá. Aponte o mapa abaixo para esta região e veja a quantidade de campings que poderão ser opção.

Acampar de bike pode ser uma ótima e prazerosa aventura. Hoje em dia contamos com opções compactas de barracas e equipamentos como fogareiros por exemplo. O Ciclista André Carlini, consultado pelo MaCamp, alerta sobre a escolha do bagageiro: “Atenção! Os mais simples costumam quebrar no primeiro dia. ” – aponta indicando os modelos específicos para cicloturismo por serem mais resistentes. Além disso, Carlini aconselha concentrar os itens mais pesados na frente da bicicleta facilitando a estabilidade e equilíbrio. Sobre acessórios e ferramentas, sugere apenas o básico como pneu e câmera reserva, chave de corrente, e um pequeno conjunto de chave allen e de boca dependendo do modelo da bicicleta. Também lubrificantes de corrente e um cabo de marcha. “Não adianta mais peças pois a possibilidade de danos é pequena e seria necessário ferramentas pesadas para levar na bagagem.”

Foto: Reginaldo Rizato

Do mais, é não esquecer uma câmera para registrar esses bons momentos e não deixar de apreciar a paisagem fora da telinha. As fotos, mais do que registros, servem de resgate daquelas melhores lembranças que registramos na nossa própria memória.

A volta à Capital poderá ser feita de ônibus a partir de todas as cidades do circuito. Atente para as regras sobre o transporte das magrelas no bagageiro do busão. Bom pedal…

 

 

COMPARTILHAR

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. “O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza.”

  • Zalan

    Ótimo percurso, deu vontade de conhecer. Sabe quanto tempo mais ou menos é necessário pra fazê-lo?

    Abs!