Integridade, Compromisso e Respeito

Aos Proprietários de Campings…

Com o passar dos tempos o campismo vai sendo levado para outros princípios e se não tomarmos cuidado, esta prática vai ter um fim trágico.

O campismo tem de ser visto como uma prática onde família e amigos possam ter a liberdade de conhecer lugares fantásticos, sendo de difícil acesso, ou até cidades badaladas, sempre em contacto com a natureza e respeitando-a tanto quanto ao próximo.

O campismo não deve ser levado à ideia de que é uma oportunidade barata para que as pessoas tenham acesso a lugares da moda, seja natureza, seja lugares badalados.

O fato de ter uma casa de veraneio acaba que o proprietário fica preso a aquele município e tenha uma grande manutenção. Este não repassa renda ao turismo da cidade, pois adquire seus produtos na cidade em que mora.

O campista, sempre vaga pelo mundo, conhecendo e auxiliando na renda turística que as cidades oferecem.

O que vemos é cada vez mais o tempo passa, menos campings oferecem serviços e os preços aumentam.

É claro que nos campings, o que mais gera renda são os trailers mensalistas e chalés, mas é preciso ter consciência de que os mensalistas dos “Villages” de hoje, foram barraquistas de ontem.

Com este ponto de vista, é que pedimos aos proprietários de campings que reservem áreas nobres para os barraquistas e ofereçam preços modestos, mesmo que seu camping ofereça uma infraestrutura maior. Ofereça boas sombras, banheiros suficientes e limpos, pratos-camping na cantina a um preço que o campista possa almoçar e jantar todos os dias. Lembrem-se que o barraquista de hoje, é o trailista de amanhã e que se não houver espaço para as barracas, não haverá quem sustente o camping daqui a alguns anos.

Podemos ver isto em campings ao redor de São Paulo, cuja boa parte dos mensalistas estão com seu chalé ou trailer (parado) a venda. O Ambiente se torna cheio, pequeno, barulhento e insuportável.

Coloque regras escritas de horários de silêncio e comportamento e tenha certeza que se por isso vier a perder algum cliente, por não ter aceitado suas regras, certamente este não será um campista de alma. Este só se aproveita do camping como uma forma mais barata de curtir com a sua turma, não se importando com as pessoas próximas.

O site MaCamp tenta conscientizar o campista, de que deve respeitar o seu próprio ambiente. Fazer com que tomem consciência de que os seus costumes e diversões não violem os mesmos direitos do seu vizinho. E o ambiente que ele deixa é o ambiente que ele encontra na próxima viagem.

Vamos trabalhar juntos para que o campismo não acabe. O MaCamp defende esta ideia.

Marcos Pivari

 

COMPARTILHAR
CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. "O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza."