Regulagem das VálvulasA regulagem das válvulas deverá ser feita a cada duas trocas de óleo com o motor completamente frio. É preferível com o motor parado de um dia para outro. As seguintes ferramentas serão necessárias: uma chave de fenda, uma chave 13mm e um calibre 0,10mm. Também será necessário um novo jogo de juntas para as tampas de válvulas.
Primeiro encontre o ponto morto superior (PMS) do cilindro 3 (lado do motorista, na frente do motor, isto é, do lado oposto à polia). Isto é feito girando-se a polia do motor com a mão (chave desligada – câmbio em ponto morto), enquanto observa-se a posição do rotor. Quando este estiver virado para o cilindro 3 e a marca de ponto na polia (pequeno corte em forma de “V”) estiver exatamente sobre a emenda da carcaça, o motor estará no PMS para o cilindro 3. Neste ponto, as válvulas do cilindro 3 estarão fechadas e a mistura de combustível comprimida, pronta para ser iniciada para a explosão. Tire de válvulas com o auxílio da chave de fenda. As juntas dificilmente poderão ser reaproveitadas. Elas custam barato e é aconselhável trocá-las. Se as peças dentro das tampas (balancins e parafusos de regulagem) estiverem muito impregnadas com carvão ou borra de óleo, vale uma boa limpeza com um pincel e gasolina ou querosene. Prepare-se para “alguma” sujeira…
Quando um cilindro está no PMS, as válvulas estão fechadas por força das molas e obviamente, os balancins apresentam uma folga. Balancins são aquelas peças que ficam martelando as válvulas, acionados pelos tuchos que, por sua vez, são acionados pelo comando de válvulas que fica lá no meio do motor. Ao pressionar a válvula, ela abre-se para a entrada da mistura ar-combustível (válvula de admissão), ou para a saída dos gases queimados (válvula de descarga). Os balancins estão soltos e há uma pequena folga entre eles e as válvulas. Mexa com os balancins para saber quais válvulas podem ser reguladas. Olhando o motor do lado do motorista, as três primeiras válvulas podem ser reguladas (da frente para trás) e no lado oposto, a válvula que está atrás no motor. Rotacione em 360 graus a polia, colocando-se o motor no PMS do cilindro 1, e o rotor na posição de faísca do cilindro 1. Agora, as últimas quatro válvulas podem ser reguladas.
As válvulas são reguladas verificando-se a folga com o calibre, que deve passar livre entre o parafuso de regulagem e a haste da válvula, mas não folgado. Caso seja necessário o ajuste, firma-se o parafuso de regulagem com a chave de fenda, afrouxa-se a porca com a chave 13mm e procede-se o ajuste até ficar perfeito apertando-se a porca quando finalizar, mantendo o parafuso fixo com a chave de fenda. Verifique novamente a folga com o calibre para certificar-se que está correto. Repita o procedimento nas demais válvulas (oito ao todo). Limpe as tampas e recoloque-as no lugar. Verifique o nível do óleo e estará pronto.

Dicas adicionais: Utilize cola somente entre a junta e a tampa e não entre a junta e o cabeçote. Se isso acontecer você terá problemas na próxima regulagem. Pode ser colocada uma fina camada de graxa nas juntas, no lado do cabeçote, para melhorar a vedação. Aproveite para checar o estado das velas e regule a abertura dos eletrodos para coloque o motor “no ponto”. Se algum dos parafusos de regulagem apresentar-se espanado ou gasto, é só comprar um conjunto novo – parafuso e porca. Aliás, quando comprar as juntas novas, já compre um ou dois conjuntos de parafusos de regulagem, que custam muito pouco. Mantenha uma caderneta de regulagens, onde deve anotar o que está sendo feito no motor da safari, no caso, quais as válvulas precisaram ser reguladas. Se após três ou quatro regulagens seguidas, as mesmas válvulas precisarem de apertos, há problemas há vista! Provavelmente, a haste da válvula está desgastando-se rapidamente e poderá quebrar. Pense em uma troca.

 

COMPARTILHAR
CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. "O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza."