A barraca iglu é há muitos anos o tipo mais tradicional para acampar. De fácil montagem, autoportante e bem leve pode servir para acampamentos de aventura e familiar. Em primeira mão a Nautika nos enviou seu lançamento para review do MaCamp de seu modelo OREGON 2/3.

A barraquinha de pouco mais de 3kg já chama a atenção logo na caixa com duas novidades interessantes. A primeira é a estrutura chamada “nano fiber” que busca maior resistência e flexibilidade em varetas mais finas graças à tecnologia da fibra de vidro virgem. A segunda está a cargo do piso com composto anti-fungos que promete maior resistência e principalmente proteção térmica.

Já no unboxing revelamos a bolsa para transporte que já contém o manual de instruções preso em tecido que não molha e nem perde, módulo do dormitório, sobreteto e bolsas específicas para varetas da estrutura e também para os espeques.

A montagem é tão tranquila quanto as mais simples iglus. Principalmente pela presença dos grampos fixadores que diminuem a trabalhosa tarefa de passar as varetas pelas bainhas de outros modelos. Apesar de existirem, são parciais e de fácil introdução da estrutura com a complementação do grampo.

VIDEO:

Este modelo de barraca não possui as cordinhas laterais e elas fizeram falta na montagem no mirante onde ventava muito. Aí não se pode esquecer das amarras intermediárias do sobreteto junto às varetas.

O piso da barraca realmente parece mais “fofinho”, mas não se deve confundir “proteção térmica” com “isolante”. Falando em isolação, o modelo Oregon é mais indicada para climas quentes ou amenos, pois seu dormitório é de grande parte em tela o que garante extrema ventilação – fundamental para o verão e pouco confortável em frio extremo. Como o sobreteto é totalmente projetado, a privacidade é total mesmo com toda a ventilação. Ainda sobre o piso, é bem costurado e selado nas pontas para proteger da água externa empoçada.

Alguns mimos internos acompanham a Oregon, como porta objetos transparente e pendurador de lanternas. Lá dentro também está costurado um rol de instruções de uso e cuidados.

Durante os primeiros dias de testes a barraca passou por noites de chuva torrencial principalmente a noite, mas sua impermeabilização se saiu muito bem. Estava pouco frio em Campos do Jordão, mas deu pra sentir que no inverno extremo quando a temperatura cai abaixo dos 0ºC o dormitório todo de tela vai gelar. Já pro verão será tudo de bom.

Detalhes: As peças plásticas nos pareceram muito resistentes, assim como os elásticos, mas isto só o tempo poderá dizer. O sobreteto vem com uma marca d’água em relevo e a parte inferior da porta tem uma proteção extra de pingadeira. As telas são bem fininhas o que garante boa ventilação sem que entrem aquelas formiguinhas e insetos minúsculos.

CARACTERÍSTICAS: Material Estrutura: Varetas de fibra de vidro com diâmetro maior que os convencionais, interligadas por elástico interno e fabricadas com tecnologia Nano Fiber (branca) com material 100% virgem proporcionando mais resistência e flexibilidade; Material Interior: Tela mosquiteiro de poliéster super fino que evita até os menores insetos e mosquitos; Material Piso: Polietileno de alta resistência sem costuras (termo-soldado), evita qualquer vazamento de água; Material Sobreteto: 100% Poliéster impermeabilizado com poliuretano 2500mm de coluna d’água; Medidas – A x C x L (m): 1,20 x 2,15 x 1,55; Peso: 3,2 Kg ;Tipo: Barraca iglu com sobreteto completo; Cor: Azul petróleo com cinza

PREÇO: Na data deste review o equipamento que é de venda exclusiva no site da Nautika custava R$ 299,00 na loja oficial da Nautika.

REVIEW – PRODUTO e Local: Este equipamento foi enviado pela NAUTIKA que confiou no know-how do MaCamp para testar seus produtos na seção de Reviews. Os testes foram feitos no Camping do CCB e no Mirante São José dos Alpes, ambos em Campos do Jordão-SP.

 

COMPARTILHAR
CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. "O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza."