Antes de mais nada é preciso entender que CAMPISMO é um só, independendo de tipo de equipamento ou técnica de acampamento. O verdadeiro campista deve ser livre de diferenciações étnicas, políticas, sectárias, de raça ou classe social. Em qualquer caso deverá saber dividir um local comum respeitando sempre o próximo e a natureza. É exatamente este alto grau de contatos é que diferenciam o acampamento das outras modalidades de turismo. No fundo, até mesmo o fato de poder se “instalar” em locais onde, sem estar acampando, não se poderia atingir, estamos nos incluindo nos quesitos acima apresentados.

Portanto apresentamos algumas formas de acampamentos diferenciados pelo tipo de relação com o local e tipo de equipamentos, apenas para apresentarmos melhor como funciona a prática. Mas nunca se esqueça de que independente de qualquer critério a maior riqueza dos campistas é realmente a ideia de paz, comunidade e cidadania que a prática pode nos oferecer. Coisas que sonhamos em nossa sociedade moderna que podemos realizar em nossos momentos de lazer.

CAMPINGS

Campings são os locais apropriados para a prática do campismo e estes podem ser de vários tipos. Em tempos inseguros como os de hoje em dia, os estabelecimentos mais recomendados são os CAMPINGS ORGANIZADOS. Os campings organizados são áreas específicas, particulares ou públicas, servidas por uma administração sediada no terreno e uma infra-estrutura básica: Segurança – com área cercada e entrada controlada por portaria sempre servida de um ou mais funcionários; Luz elétrica – iluminação e rede 110V ou 220V para dependências e para equipamentos. Hidráulica – sistema de abastecimento de água para dependências e torneiras de alimentação dos equipamentos de veículos de recreação assim como sistema de água servida para os mesmos; Banheiros – baterias para cada sexo com chuveiros frios e quentes (se em regiões onde o clima não é quente o ano inteiro), vasos sanitários e pias; Lava-pratos – pias para este específico uso com latões ensacados de lixo para resíduos; Tanques – para lavar roupas e outros pertences com varal em local isolado; Cantina – local para oferecer refeições, lanches ou para a venda de produtos básicos. É claro que além dessa estrutura básica, campings organizados também podem oferecer diversos recursos, como: piscinas, chalés, quadras, sauna, playground, sala de jogos, lojinhas, churrasqueiras, cozinhas comunitárias, lagos piscosos e etc. É importante salientar que em tempos de crise e declínio do campismo no Brasil existem campings com propriedade específica para a prática que certamente se incluirão nesta categoria de camping organizado, mesmo não abrangendo todas as características anteriormente apresentadas. Caberá ao proprietário e à comunidade campista de esforçarem para atingir esta meta.

TIPOS DE ACAMPAMENTOS

Podemos dividir o campismo em três tipos fundamentais. São eles: Camping Selvagem; Camping Livre e Camping Organizado.

Há também outra forma de dividir o campismo, seja em qualquer um dos tipos acima, seria pelo tipo de equipamento, como: Barracas, Carretas-Barraca, Trailers, Motor Homes, Campers e similares. Estes estão bem especificados em nossa seção de equipamentos.

CAMPING SELVAGEM

Apesar de ser o tipo que menos se pratica, não podemos deixar de citá-lo. Mesmo porque está intrinsecamente ligado às suas origens, mas devemos deixar claro que na maioria dos locais do país não seja mais permitido. É um tanto complicado fazer qualquer afirmação sobre proibições, mas é fato que locais que já foram muito comuns para camping selvagem, principalmente em áreas litorâneas ou em beira de rios e lagoas, acabam sendo alvos de proibições pelas autoridades, já que se busca uma organização dos espaços públicos. Porém ainda existem muitos locais desses, principalmente longínquos e desertos onde o campista conta apenas com seus próprios equipamentos e o que a natureza pode oferecer.
Não importa se o turista procura a prática apenas para passar alguns dias de descanso contemplando a natureza ou como base das paradas de suas expedições, como caminhadas, trilhas ou esportes de montanhismo, por exemplo. O certo é que o campismo selvagem estará em prática quando o indivíduo puder pousar de forma decente e sadia em um local ermo e sem qualquer infra-estrutura básica. Em nosso guia, áreas assim estão especificadas como “Camping Improvisado”.

CAMPING LIVRE

Podemos definir este tipo de campismo que é praticado em locais que não contam com infra-estrutura, mas oficialmente se PERMITE o acampamento. Geralmente ocorre em algumas regiões a beira de rios ou localidades. Neste caso seriam áreas para um acampamento com pouquíssima ou nenhuma infra-estrutura. Este tipo de camping era muito comum nos anos 1970 e 1980, onde cidades turísticas, praias, rios e parques florestais a permitiam. Hoje em dia, diante das mudanças na sociedade, padrões mínimos de saneamento e abastecimento e principalmente leis que protegem áreas de preservação ambiental fizeram com que o CAMPING LIVRE tivesse uma noca conotação. Apesar de ainda existirem áreas como acima citadas, já é mais comum que tais áreas contem pelo menos com banheiros e alguma supervisão.
No quesito “cobrança” podemos dizer que as áreas de camping livre, por não contarem com estrutura e visando turistas na localidade, eram gratuitas. Ainda existem, mas são mais raras. Mas de qualquer forma a nova definição deste tipo de acampamento ainda conta com taxas bem baratas de diárias ou pernoites. O Estado do Rio Grande do Sul é o que possui maior número deste tipo de camping, principalmente na beira dos milhares de rios que oferecem à população lazer e refresco no quentíssimo e abafado verão.

CAMPING ORGANIZADO

Este é realmente o tipo de camping mais comum e almejado pela sociedade campista nos dias de hoje.
São áreas específicas para a prática de campismo que conta com um mínimo de infra-estrutura, como banheiros, água, luz para dependências, portaria, segurança, regras, espaços definidos, tanques, lava-pratos entre outros inúmeros atrativos. Um Camping Organizado não necessariamente precisa ser particular ou com cobrança de diárias ou pernoites, porém é assim em sua maioria. Ainda existem áreas de prefeituras que não cobram a fim de oferecer espaço para que turistas possam visitar a cidade.
Há ainda campings que são verdadeiros Resorts e que oferecem todos os seus atrativos ao hóspede campista, como piscinas, quadras, saunas, restaurantes, atividades, comércio e etc.

OUTRAS FORMAS

Existem algumas outras formas tratadas como campismo, umas com e outras sem essência da prática. Uma delas é o chamado “GLAMPING”, muito difundido na internet e redes sociais pelo seu cunho curioso. saiba mais em artigo específico.

Marcos Pivari

 

COMPARTILHAR

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. “O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza.”

  • Ramsi AobsiL

    Ótimo post… Sou adepto e prefiro o camping selvagem… Mas confesso que já fiquei em um camping organizado.