Responder a: Patagonia 2016: Expedição MaCamp de Trailer.

#89881 Resposta
Capt.A330
Capt.A330
Participante

Continuando com o relato…

Segunda-feira, 18/01/2016:
Hoje, o dia foi muito intenso e extenso, pelo que vou dividir o relato em duas partes, para não cansar quem acompanha o mesmo.

Primeira parte:
Acordamos cedo (para variar!), e logo após o café, na estrada de novo! https://www.youtube.com/watch?v=1vrEljMfXYo
Na minha percepção e cálculo de distancia vezes tempo e velocidade (regrinha básica utilizada na aviação para cálculos de tempo, distancia e autonomia, dentre outros), imaginei que saindo cedo de Gualeguaychú, poderíamos percorrer, Deus mediante se não tivermos outras demoras não previstas, a distancia desde nosso pernoite em E. Rios, até Santa Rosa, capital de La Pampa, e não até General Acha, conforme planejado anteriormente, pois o local de pernoite inicial seria em Zàrate, e não onde foi de fato, distante mais de 140 km.
Com estes dados na cabeça, que foram expostos para todos os integrantes da Expedição, continuamos devorando km, para passar a região das redondezas de Buenos Aires antes do horario de maior transito, lugares estes que seriam, em menor grau Zárate e redondezas, porém principalmente, a região de Luján.
Embora estas pequenas cidades não tem nem a metade de tamanho que seus equivalentes no Brasil, o tránsito pode chegar a ser caótico, o que não é nada bom para um comboio de mais de 40 mts somados, como o nosso, e com menos agilidade, obvio, do que um carro pequeno.
Passamos as pontes de Zárate-Brazo Largo, sendo que a primeira, no sentido da nossa circulação, divide as Provincias de Entre Rios e Buenos Aires…ficando longe da policia de E. Rios, até que enfim!!!
Paramos para abastecer no posto YPF que fica bem na frente da fábrica da Toyota, pausa para um breve descanso, espichar as pernas, banheiro, loja de conveniencias (medialunas!), e lá vamos nós de novo, para atravesar Luján antes de medio dia; a passagem pela região de Luján requer bastante cuidado e atenção, embora não é “bicho de sete cabeças”, como meu Irmãozinho Meigo pode constatar e comentar, já que passou sozinho por lá com o Baumeister, e logo estávamos na ponte estreita, onde podem passar dois carros pequenos lado a lado e/ou no sentido contrario, más não dois veículos pesados/largos, e por isso, é de bom tom esperar estar livre para passar a estreita ponte com os 2,20 mt de largura dos Turiscar, e mais ainda, com os 2,40 mt do Imperial, que em movimento, parece muito mais largo!
Bem, segundo o Presidente Macri, é de absoluta prioridade terminar a tarefa que o governo anterior não fez, de terminar a duplicação do acesso da Ruta 5 com a Ruta 7, que leva para o centro de Baires…tomara que seja realidade, a região muito necessita disto.
“Sobrevivemos” à região de Luján, e já estávamos na Ruta 5, em direção inicialmente para Chivilcoy, onde planejamos almoçar no Aero Club, que tem uma boa sombra, muito necessária com aquele sol escaldante de Janeiro às 12:00, onde me pareceu ver um urubu voando com só uma asa, pois usava a outra para se abanar…chegando ao Aero Club, onde já estou autorizado a entrar faz anos, estacionamos o comboio na sombra das altas árvores, e ainda corria um ventinho que era uma benção para nossas aquecidas Casas Rodantes, como chamam por lá os Trailers, e também os MH, e não deixam de ter razão…
Almoço degustado, comboio conferido, descanso rápido, e lá vamos nós de novo pela Ruta 5, com destino inicial de Trenque Lauquen, Prov. de B. Aires para abastecer, e depois, Santa Rosa, na Provincia de La Pampa.
A Ruta 5, que vai de Baires até La Pampa no seu percurso principal, não é muito larga, porém, com pedágio (barata), está em boas condições, com acostamentos de grama parelhos, sem problemas para desacelerar e parar, o que aumenta a segurança, e por vezes, com lugares para sair da mesma e disfrutar de lugares de descanso, com sombra, conforme Odair reparou e comentou no seu tópico neste mesmo fórum.
Fim da primeira parte.

Fotos:

Saindo cedo de Gualeguaychu.

As ponte de Zárate-Brazo Largo-foto de Isa.

A vista de cima da ponte.

Guanaquito na ponte, na foto de Isa.

Saindo da ponte; no lado direito, podemos ver a ponte do ferrocarril, na foto de Isa.

Abastecendo em Zárate; detrás, a fabrica da Toyota, “berço” da HiLux do Meigo.

Parados de lado dum camião brasileiro que pega as Hilux para trazer para o Brasil, em Zárate, enquanto Thomas abastecia; foto de Isa.

Bela foto de Isa mostrando os Trailers alinhados em ángulo, lá no posto de Zárate.

Passando a ponte estreita, na foto de Isa.

“Tudo mundo já passou?” Foto de Isa.

Local do almoço, na foto de Isa.

Não lembro se o Papa-léguas ficou no sol mesmo, ou se só a Frontier estava na sombra…com a palavra, Polini para lembrar. Foto de Isa.

Bela foto de Isa no local do almoço.

A Ruta 5 e seus acostamentos.

Continua…

CLASSIFICADOS: