Hometrailer 728×90

Responder a: Reforma sistema de freios Turiscar Imperial

HOME Fóruns Caravanismo Trailers Reforma sistema de freios Turiscar Imperial Responder a: Reforma sistema de freios Turiscar Imperial

#93006
Odair Teixeira
Odair Teixeira
Participante

Voltando com o tema dos freios do Imperial. Novelinha chata essa…

Estou na reta final de montagem do novo Setup. Saem os cubos VW e entram os cubos da D20. Beeem mais parrudos. Possuem 16mm de parede de aço. São tres vezes mais espessos que os antigos cubos VW.

Alias, cabe aqui um comentário. Ja tive vários fuscas e tenho muitas peças guardadas em casa. Tenho cubos da década de 60 guardados no sótão. Comparei o peso deles e os antigos possuiam muito mais material que estes mais novos. Tudo bem que a composição do material provavelmente tenha melhorado, com ligas mais resistentes. Mas ainda assim é ferro fundido nodular. Vide os problemas com o Stilo que teve cubo de aço trocado por cubo de ferro fundido e os acidentes começaram a ser reportados. Mas isto é outra historia.

A idéia da mudança do setup era usar um cubo que tivesse robustez suficiente para acabar de vez com os riscos de quebra por esforços laterais.

Eu tinha implicancia com os freios. Resolvi adotando freio à disco. Estava freiando bem, mas em manobras fechadas, sempre ficava com medo.

Não é de hoje que ouço (além do que aconteceu comigo mais de uma vez) de cubos da Turiscar quebrarem quando solicitados à esforços laterais. Trailers menores do que o Imperial inclusive.

Fazer uma manobra com raio de giro muito fechado em piso com alto coeficiente de atrito era sempre algo que me preocupava. Até em pisos menos complicados, me preocupava também.

Os cubos sofrem flexão e torção simultaneamente. Como a parede efetiva dos cubos originais é de +- 5mm, e o peso do trailer (no meu caso) passam dos 2500 kg, então o danado não aguenta mesmo. Cedo ou tarde vai quebrar.

Nesta foto acima, dá pra perceber que a roda dianteira está sendo empurada pra dentro e a traseira puxada pra fora. Do outro lado a situação é inversa.

De orelhada, deve ter um 6500N de momento fletor em cada roda . Para uma parede de +-5mm de ferro fundido é muita coisa. Fiquei de calcular isto, mas não achei qual equação é a mais correta. Sei que flexão pura não é. Faz tempo que estudei isto e ando com tempo zero para me dedicar a estudar estas e outras coisas . Pedi pra minha filha ver com o Prof de Eng. Mecanica na Unicamp. Acho dificil. Mas se achar, posto aqui.

Decidi pelo cubo da D20 por causa da robustez e por ser bem compacto e o comprimento da ponta de eixo dar certinho. Levei ele para usinar o centro e colocar uma bucha para aceitar os rolamentos originais.

Assim, presevei a ponta de eixo original.

Devo montar o sistema no Imperial nos proximos dias. Aí vou reavaliar os amortecedores que acho também serem insuficientes para a carga que são submetidos.

É provavel que ganhe amortecedores com maior capacidade de carga. Eu havia trocado os 4 amortecedores antes de viajar para a Patagonia.

Quando peguei a buraqueira em Uruguaiana, um dos amortecedores teve o olhal arrancado e outros dois estouraram.
Significam que não aguentaram o tranco.

Outra coisa que vou ter que decidir é se vou manter as rodas e pneus originais. É provavel que ganhe rodas e pneus novos. Desta vez, rodas aro 15 e pneus da HR 100, com maior capacidade de carga e mais largos.

Depois de montar, posto aqui pra compartilhar o resultado

Abraços

Odair

Neway RVs 728×90