"Férias em Crise"
Publicidade:
 

A matéria seguinte foi publicada no Correio Brasiliense

As festas de fim de ano, as férias escolares, o recesso dos pais. Tradicionalmente, dezembro é um mês em que a família viaja para descansar e matar as saudades dos parentes. Boa parte opta em ir de carro, como Luiz Edgar Tostes, um apaixonado confesso pelas estradas. Só este ano, ele dirigiu 8 mil quilômetros pelo litoral nordestino a bordo do seu motorhome. Mas a crise no setor aéreo, que vai desencorajar muita gente a viajar de avião, deve aumentar o tráfego consideravelmente. O que significa que as estradas estarão bem mais cheias do que o normal para o período. Vale lembrar que 73,9% das rodovias federais apresentam algum tipo de deficiência. Imagine, então, o que você vai encontrar pela frente.
Assim, o ideal é reduzir ao máximo as chances de ficar na estrada com o carro enguiçado. E se a revisão do veículo é sempre a recomendação número 1 dos mecânicos, nas condições atuais, ela é mais do que um conselho. Separe um tempo e disposição para pegar o carro e fazer um check-up na oficina de sua confiança ou na rede de concessionários. Você estará fazendo um favor ao seu bolso (a manutenção preventiva significa menores despesas em peças e mão-de-obra) e, acima de tudo, contribuindo para que suas férias não fiquem na memória como as piores da família.

PELA ESTRADA AFORA

Viajar de carro não é tão simples quanto parece. É preciso saber as condições das rodovias, fazer as revisões periódicas, estar com a documentação em dia…

Da Redação

Um carro grande e branco estaciona. As pessoas se aglomeram para ver. “Hoje vai ter médico?”, perguntam alguns curiosos, pensando se tratar de uma clínica itinerante. De dentro, sai um carioca de 72 anos. Luiz Edgar Tostes não é médico. Ele dirige um motorhome pelas estradas do Brasil. É um responsável aventureiro. São 35 anos percorrendo o país de norte a sul, de leste a oeste. Quando o assunto é dirigir, poucas pessoas têm a experiência e o entusiasmo de encarar as rodovi as como Luiz Tostes. Só neste ano, ele dirigiu 8 mil quilômetros pelo litoral nordestino.

Nessas três décadas, viveu muitas histórias. Para quem pretende viajar de carro, mas não tem tanta experiência, Tostes revela que o grande segredo para evitar sustos nos trajetos é a revisão preventiva do automóvel. Antes de colocar o motorhome na estrada, o carioca faz sempre uma detalhada revisão: “Verifico freio, direção, rodas, pneus, estepe e peças sobressalentes. Também confiro o estado da s mangueiras, se não estão ressecadas”. Para ter garantia do serviço, só leva o carro em oficinas de confiança. A parte habitável do veículo é montada sobre o chassi de um Mercedes-Benz Sprinter 413. Adquirido há apenas dois anos, o motorhome já rodou mais de 37 mil quilômetros.

Outra dica valiosa para que os viajantes possam saber a condição de alguns trechos é parar em lugares freqüentados por caminhoneiros. Os motoristas sabem, em detalhes, qual é o estado físico das pistas. Uma conversa rápida e amigável pode poupar imprevistos ao longo do percurso.

Os postos de combustível com maior movimento de clientes e com bandeiras (ou marcas) conhecidas são os mais indicados para abastecer o carro. Devido ao isolamento das estradas, é difícil manter a fiscalização sobre a qualidade do combustível. Algumas empresas clandestinas se aproveitam para adulterar gasolina, álcool e o diesel.

Ciente da violência que existe no trânsito, Tostes admite que por mais que s e conheça o trajeto, é preciso ter atenção dobrada em relação aos outros motoristas. “No trânsito, estamos vulneráveis. O maior problema da viagem não é só a condição da estrada, mas a imprudência dos condutores. Já vi muita gente ultrapassando onde não deve, fazendo manobra arriscada. A gente se previne com o que pode. Contra a imprudência alheia não há prevenção”, alerta.

No fim do ano, são vários os fatores que dificultam a viagem de carro. Primeiro, o grande fluxo de veículos. Movimento maior nas rodovias que ligam Brasília ao litoral do Sudeste e Nordeste. Excesso de bagagem, carros lotados e caminhões carregados. Uma perigosa mistura nas estradas esburacadas e mal sinalizadas. Outra dificuldade é a chuva. Dezembro e janeiro são os meses mais chuvosos do ano. “Durante os temporais, eu sugiro que o motorista pare no acostamento e ligue o pisca-alerta. Não custa nada esperar a chuva diminuir. Atrasa um pouco a viagem, mas não corre o risco de derrapar nem de se acidentar por conta da baixa visibilidade”, aconselha.

VEÍCULOS
Evite trafegar com o pisca-alerta ligado pois, além de levar uma multa, você pode confundir os outros motoristas

Cuidados

·  Descanse bem antes de começar a viagem. Não dirija por muitas horas seguidas. Faça paradas regulares a cada quatro horas
·  Jamais tome bebida alcoólica antes de dirigir. Tanto nas estradas quanto na cidade. Bebida e direção são uma mistura mortal
·  Procure viajar sempre acompanhado de alguém que possa revezar a direção do carro
·  Ao ver um acidente na estrada, mantenha-se concentrado em sua segurança. Antes de parar o carro ou prestar socorro, certifique-se da segurança do local
·  Se outras pessoas estiverem prestando socorro, mantenha atenção na estrada
·  Jamais mexa em uma vítima de acidente, nem permita que outro leigo o faça. Espere o socorro adequado. O movimento inapropriado da pessoa acidentada pode agravar as lesões e causar seqüelas
·  Nunca freie sobre poças d\’água. A falta de aderência com o chão causa o efeito de aquaplanagem
·  Atenção ao frear q uando houver caminhões atrás do seu carro. Os veículos pesados, quando em alta velocidade, demoram para parar
·  Não buzine ou sinalize com os faróis quando se deparar com animais de grande porte (bois, cavalos, vacas) nas pistas. O animal, assustado, pode reagir violentamente. Feche os vidros, desvie lentamente em marcha reduzida e avise o posto policial mais próximo
·  Na chuva, mantenha os limpadores de pára-brisa sempre ligados
·  Não fume dentro do car ro. Evite o embaçamento do vidro
·  Jamais freie bruscamente
·  Se o carro aquaplanar, não freie nem pise na embreagem. Solte o acelerador e deixe o atrito com água reduzir a velocidade até você sentir que os pneus entraram em contato com o piso
·  Nunca ultrapasse pela pista da direita
·  Antes da ultrapassar, tenha certeza de que você tem visão total da estrada, olhando também os retrovisores
·  Use luzes e setas para sinalizar sua intenção de fazer a ultrapassagem
·  Nunca ultrapasse em trevos, lombadas, curvas, passagens de pedestre, cruzamentos ou onde houver faixa contínua.

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. "O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza."

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here