Publicidade:
 

Acampamento na modalidade “familiar” com conforto significa energia elétrica. Embora possa parecer um tanto desviado da ideia de “natureza” ou “desconexão”, o campismo familiar não dispensa necessariamente algumas facilidades do dia a dia. Eletrodomésticos, eletrônicos e principalmente o conforto do frigobar exigem uma eletricidade de certa qualidade, o que definitivamente não acontece nos campings. A TS SHARA fez questão de nos enviar um estabilizador bivolt para levar tranquilidade e despreocupação para uso em barracas e veículos de recreação. Nós testamos.

ELÉTRICA NOS CAMPINGS: A maioria dos campings estruturados oferece tomadas para uso nas barracas e Rv’s. Apesar de muitas vezes com pontos numerosos, o sistema elétrico dos campings não costuma ser dos mais bem dimensionados, e nem seria possível com baixo custo. Por este motivo a maioria deles coloca como regra a ligação de poucos equipamentos, na maioria de iluminação, alguns até vedando o uso de refrigeradores ou aparelhos de resistência. Estes últimos, realmente são os maiores vilões. Usando a chamada “resistência pura” consomem uma quantidade enorme de eletricidade, não só sobrecarregando a rede e diminuindo a voltagem dela, como também oferecendo risco de incêndio. É por isso que é comum pedir-se para não utilizar aquecedores, secadores de cabelo, chapinhas, sanduicheiras, torradeiras, fogões elétricos e panelas elétricas. Nem sempre as pessoas obedecem e é aí que a energia do camping oscila muito e fica fraca.

ENERGIA FRACA E OSCILANTE: Cada vez que alguém liga um equipamento forte, a rede elétrica perde força. A unidade de medida que diminui é a “voltagem”. Mas não é só os equipamentos dos campistas que consomem muita energia. Na maioria dos casos, os campings possuem chuveiros elétricos – os equipamentos que mais consomem energia. É por isso que costumamos chamar de “hora do banho” o horário que a voltagem da rede elétrica do campings está mais fraca. Isto porquê além de “todo mundo” estar tomando banho nesta hora, também é o momento em que o público está utilizando a maioria dos equipamentos de cozinha, beleza e também acendendo suas luzes. Como cada momento um liga, desliga aparelhos e abre e fecha o chuveiro, é comum também que a luz oscile entre fraco e forte. Tudo isso pode trazer mau funcionamento de aparelhos ou até a queima deles.

LÂMPADAS: Luz fraca ou oscilante significava até um tempo atrás lâmpadas fraquinhas e tal variação era bem percebida pela intensidade das lâmpadas incandescentes. Hoje em dia, cada vez mais se usa lampadas de LED, o que traz um desconforto ainda maior. Ao invés de ficarem fracas, elas começam a piscar alucinadamente, podendo além de nos trazer um enorme desconforto visual, queimar seus circuitos eletrônicos internos.

GELADEIRAS: Frigobares também costumam sofrer muito com a oscilação de energia. O motor trabalhando em uma voltagem muito abaixo do normal, pode forçar seus elementos internos podendo queimar. Além dele, os relês que são responsáveis pelo acionamento dos motores também podem ficar “birutas” com a luz muito fraca, levando à sua queima. Seja qual for o motivo, além do enorme desconforto de “perder” tudo o que está refrigerado, também resulta em um belo prejuízo financeiro no reparo.

220V ou 110V?: Outro quesito muito importante no uso de eletricidade no camping é a voltagem. É comum que campistas de algumas regiões (principalmente SUL) estranharem campings que não sejam 220V. Pois apesar de a grande maioria oferecer tomadas 220V, muitos deles acabam sendo 110V. Alguns por preferência, alguns por ser muito comum na localidade ou mesmo pela rede distribuidora só oferecer a fase única de 110V. Os campings com voltagem 110V ocorrem muito nos estados de SP, RJ e MG -sendo que não é uma exclusividade. Muitos campings destes Estados oferecem luz 220V e campings dos demais Estados também podem ser em 110V. Com tudo isso, o TRANSFORMADOR acaba sendo um item imprescindível para a tralha campista. Eles transformam 220V em 110V e vice-versa. O resultado de tudo isso é que sempre é necessário que o campista CONFIRA qual a voltagem daquela tomada antes de ligar seu equipamento. Este tipo de equipamento não oferece estabilização de voltagem.

ESTABILIZADOR: Aparelho comum no uso de computadores, é responsável por regular a voltagem que entra para entregar a mais correta, ou 110V ou 220V. Porém os velhos e comuns estabilizadores de computador não servem para acampar. Isto porquê eles são feitos para uma potência bem menor, sem preparação de picos de energia e com uma faixa de regulação bem menor do que as oscilações que ocorrem no camping. Em casa temos diferenças pequenas, tendo os estabilizadores comuns 3 estágios. Já no camping, podemos ter oscilações de faixas muito mais amplas, exigindo estabilizadores de 5 até 16 estágios de regulação.

BIVOLT: Uma das maiores vantagens dos estabilizadores do tipo “bivolt” está no seu uso tanto em 110V quanto 220V. Isto significa que seus equipamentos 110V poderão funcionar em qualquer voltagem nos campings, além de contar com sua estabilização. Se esta função “bivolt” for automática então, significa que nem mesmo se preocupar com a voltagem do camping será necessário. Este é o caso do TS Shara Powerest que será testado neste Review.

ESTABILIZADOR POWEREST 2500 BIVOLT TS SHARA: O equipamento enviado pela empresa promete uma estabilização com comandos microprocessados. Isto significa que um circuito eletrônico fará a leitura da voltagem que entra para escolher o estágio de estabilização. Ele também promete uma seleção de voltagem automática entre 10V e 220V e algumas proteções:

Auto Diagnóstico de partida: Ele fará uma leitura na primeira “ligada” antes de liberar a saída. Assim ele definirá qual a voltagem que está entrando e qual estágio de estabilização será necessário para entregar os 110V na saída. (Na realidade, “110V” é uma convenção, porém a voltagem ideal nesta saída é de 115V; Proteção Contra Surtos de Tensão: Significa que caso haja uma alta tensão momentânea provocada por algum agente externo, o aparelho cortará a saída; Proteção Eletrônica Contra Sobrecarga: Significa que caso seja ligado um aparelho que puxe mais potência do que o aparelho determina (2500VA neste caso), ele se desligará para que não se queime; Proteção eletrônica contra sub/sobretensão: Significa que caso haja uma voltagem acima da tensão máxima ou abaixo da tensão mínima de trabalho, o aparelho se desligará. No caso do Powerest, ele oferece o religamento caso a tensão entre novamente na faixa de trabalho sem que seja necessário o seu religamento manual; Filtros de Linha  RFI e EMI: Significa que ele atenua interferências causadas por aparelhos ligados na mesma rede, seja antes ou depois do estabilizador. Interferência EMI são causadas por eletromagnetismo, como no caso de motores por exemplo. RFI são interferências de radio frequência; Medição e análise em True RMS: Significa que o aparelho medirá as correntes senoidais da eletricidade alternada com maior exatidão independente de certas distorções que possam aparecer diante de agentes externos.

UNBOXING: O estabilizador nos chegou por transportadora em nossa sede conforme nossas políticas de Review: Na caixa, novo e com nota fiscal e garantia. Envolto em um papel craft, estava a embalagem ilustrada. Dentro dela o estabilizador ainda veio protegido em plástico transparente.

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: Seu peso e tamanho surpreenderam. Bem menores do que esperávamos para 2500VA. Sua interface é bem simples. Na frente um botão único de energia que também conta com uma iluminação em LED para a indicação de seu estado de funcionamento. Na parte traseira ele conta com 6 tomadas padrão brasileiro (3 pinos) de potência máxima 10A. Além do cabo de alimentação (que tem plug de 20A) também possui um dock para fusível de proteção.

PLUG 20A e Tomadas 10A: A potência total do aparelho, excede os 10 Amperes, o que torna obrigatório o uso de um plugue de 20A. Além disso existirá a garantia de que sempre será ligado a uma tomada de potência superior. Já a saída pode ser dividida por 6 tomadas, portanto elas sendo de 10A, também garantem uma segurança de não serem utilizados equipamentos que excedam a sua potência máxima ou que a soma dos que são ligados às tomadas também não a excedam. Todavia, é perfeitamente possível exceder usando as 6 tomadas de 10A e por isso é de suma importância a verificação das potências dos aparelhos que serão conectados ao estabilizador. Mesmo ele tendo uma proteção desta saída.

USO NO TRAILER: Apesar do fato de que iremos utilizar o estabilizador nas acampadas de barraca, realizamos este review aplicando o aparelho em nosso trailer. Isto porquê assim poderíamos colocá-lo a uma prova um pouco mais severa. Nosso trailer possui diversos aparelhos que poderão fazer com que o estabilizador trabalhe mais. O trailer trabalha basicamente em 12V. Porém sempre o carregador de baterias (que também pode alimentar diretamente os aparelhos) está plugado na rede 110V ou 220V. Iluminação (em LED e Halógena), bombas d’água, Televisão, decoders e até mesmo nossa geladeira trabalham em 12V. Porém, a geladeira “quadrivolt” trabalha na rede elétrica AC quando esta está disponível. Além dessas, alguns aparelhos que usamos externamente também trabalham em 110V, como liquidificador, ferramentas e outros eletrodomésticos. Mesmo alguns equipamentos trabalhando em uma faixa grande de voltagem (como no caso desta geladeira), preferimos sempre utilizar um estabilizador para evitar surtos, oscilações e garantir proteções extras. Desta forma, diminuímos as chances de avarias, já que produtos como este custam muito caro.

SEM PREOCUPAÇÃO COM A VOLTAGEM: Com um estabilizador BIVOLT automático, nossa preocupação é zero quanto à voltagem do camping. É chegar e plugar o cabo de alimentação do trailer. Tanto faz a voltagem. No caso do POWEREST, esta funcionalidade se mostrou muito prática. Ao ligarmos a alimentação (trailer na tomada do camping), notamos que demora um segundinho ou dois para que a saída seja liberada. Isto nos traz um conforto e segurança por saber que primeiro ele está “lendo” a entrada para poder saber o que entregará na saída. Em nosso painel elétrico podemos verificar que independente da voltagem externa, a saída do estabilizador está sempre entregando os 115V que podem variar entre 108 e 120, o que significa uma variação normal e sem perigo aos equipamentos.

CONCLUSÃO FINAL: O estabilizador se mostrou bastante razoável para um uso comum nos campings do Brasil. Deixou um pouco a desejar no quesito de “faixas de regulação”, já que quando a voltagem baixa dos 185V (no caso do 220) ele já não entrega mais os 115V na saída e abaixo dos 174 ele desliga. Porém, 170V é realmente uma oscilação demasiadamente grande perto da realidade de uma instalação residencial, porém as vezes comuns nos campings em datas especiais. No caso do camping de Paraty no último Reveillon, a voltagem chegava a cair para a casa dos 160V e 170V na “hora do banho”, deixando a saída mais baixa ou mesmo sem nada na saída. Nunca abaixo dos 100V. Também não nos sentimos a vontade de “pendurar” nosso ar condicionado (7500 BTUs não inverter) com medo de confundir e avariar o seu sistema microprocessado. Portanto para quem desejar ligar equipamentos maiores que 2500W e ar condicionado, melhor partir para um estabilizador mais forte e parrudo. Para pequenos trailers ou mesmo para acampamentos de barracas, principalmente para quem usa frigobar, o POWEREST é uma bela relação de custo X benefício. Além de ter boas dimensões e peso para levar na tralha. Uma ótima vantagem é que este estabilizador possui 3 anos de garantia da TS SHARA e é encontrado em uma infinidade de locais.

Watts e “VA”: Principalmente em transformadores e estabilizadores é comum o uso da unidade de potência “VA”. A princípio e seguindo as mais básicas aulas de física na escola, Potência em Watts (W) é medida na tensão (V) x Corrente (A). Isto nos leva a pensar que 2500VA é simplesmente 2500W. Mas não. Isto porque diferentes tipos de equipamentos possuem potências diferentes segundo seus sistemas de funcionamentos. O único tipo de aparelho cuja potência em VA é igual a Watts são os de resistência pura (aquecedores, sanduicheiras e etc). Aparelhos eletrônicos ou que utilizam motores, possuem coeficientes diferentes. Portanto, é sempre seguro considerar que a potência máxima de aparelhos que iremos ligar ao estabilizador ou transformador deve ser de 20 a 25% menor que o total em VA. Mesmo sendo bem menos do que os coeficientes reais, isto nos trará uma maior segurança no uso amador dos aparelhos.

CARACTERÍSTICAS: Dimensões: 32cm(P) x 19cm (h) x 13cm(L); Peso: 3,3kg; Supressor de transientes:275Vrms, 65J, 2500A; Frequência: 50 e 60Hz (O que entra, sai); Rendimento:>92%; Proteção contra Subtensão 115V: 91V; Proteção contra Sobretensão 115V: 143V; Proteção contra Subtensão 220V: 174V; Proteção contra Sobretensão 220V: 272V; Grau de proteção: IP 20; Medição e análise em TRUE RMS; Sinalização visual de tensão em 5 níveis: – Rede normal (led aceso); – Sobretensão (piscagem rápida); – Subtensão (piscagem lenta); – Análise de rede (piscagem crescente por 2 segundos); – Sobrecarga (piscagem normal).

PREÇO: Na ocasião deste review o produto era vendido na internet por uma variação entre R$ 329,00 + frete a R$ 455,00 + frete.

ONDE COMPRAR: Em diversas lojas físicas e virtuais de eletroeletrônicos e suprimentos para informática por todo o Brasil.

REVIEW – PRODUTO: Este equipamento foi enviado pela TS SHARA que confiou no know-how do MaCamp para testar seus produtos na seção de Reviews. Testes foram feitos em nosso trailer KG-330 nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here