Resfriar 728×90

Mais uma cidade turística adota a “taxa ambiental” para os visitantes. Ubatuba, que é passagem para muitos que trafegam entre São Paulo e Rio de Janeiro ou para cidades vizinhas, possui 90% de sua área dentro de zona de preservação e argumenta que o “pedágio” compensará o “impacto e degradação ambiental”. Assim como outras cidades turísticas conhecidas, a tecnologia estará a serviço da cobrança, ainda mais porque Ubatuba é o primeiro município que não possui área segregada.

Tecnologia a serviço das multas e arrecadação.

A criatividade não tem limites para a busca por argumentos em prol de mais receita financeira. Usando o exemplo de Fernando de Noronha, uma ilha isolada a 550km do continente e que abrange um Parque Nacional terrestre e marinho, cidades litorâneas se inspiraram a fazer o mesmo: cobrar taxa ambiental de quem passa. Primeiro foi Ilhabela-SP, seguindo o conceito de Noronha, porém sendo 2km distante do continente e ligados por uma balsa já tarifada. A taxa ambiental ali visava uma menor frequência de diaristas e principalmente vans. Depois foi a vez de Bombinhas-SC que possui um formato peninsular. A cidade catarinense aproveitou o fato de ter apenas uma entrada para poder controlar o tráfego de veículos que adentrariam ali apenas para frequentar especificamente sua área. Seguindo passo a passo as argumentações, Ubatuba abre um enorme precedente para que qualquer cidade venha a adotar suas políticas municipais, já que se trata de um município que abriga uma rodovia que liga duas metrópoles, além de desembocar uma Serra que atende a diversos outros municípios do litoral paulista e fluminense.


Pedágios de Bombinhas-SC e Ilhabela-SP

Na prática, a Câmara de vereadores de Ubatuba aprovou taxas a serem aplicadas a veículos que passarem pela cidade. Ainda não se sabe ao certo se haverá cobrança para quem apenas passa pelas rodovias, mas sabe-se que o não pagamento dos valores (que variam de R$ 3,00 moto, R$ 10,00 a 15,00 carros  e R$ 70,00 caminhões) gerará uma multa de R$ 200,00. A promessa é de fazer uso deste dinheiro a favor do meio ambiente.

A lei que ainda não foi publicada em Diário Oficial, ainda dará muita discussão. Mas assim como aconteceu nas outras cidades, dificilmente irá emperrar.

Resfriar 728×90
CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. "O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza."