Publicidade:
 

A moda pegou mesmo. A cada dia mais cidades restringem e taxam os caravanistas que passam ou visitam. O Município do Guarujá iniciou recentemente uma taxação a transportes coletivos privados e, erroneamente (ao nosso ver) incluiu veículos de recreação onerando-os exageradamente. Motor Homes, Trailers e Campers agora precisam realizar um cadastro prévio não somente para a visita à cidade, mas também para uma simples PASSAGEM de uma localidade a outra. O valor da taxa na data deste artigo era de polpudos R$ 784,00 por DIA. E aí, quer conhecer o Guarujá?

A ignorância por parte de autoridades e legisladores não é uma novidade nas terras tupiniquins. Lá pelo ano de 1997 na redação do então “novo” Código de Trânsito Brasileiro, nos artigos que tratavam das habilitações, o não conhecimento do que era um “trailer” fez com que incluíssem aqueles na maior categoria. Parece que o mesmo aconteceu agora quando o município do Guarujá-SP criou do decreto nº 14719/21 regulamentando a Lei 291/2021. Tendo clara em sua proposta a consideração dos “veículos de transporte coletivo de passageiros privados”, citaram três tipos de veículos de recreação “não coletivos”: Motor Home, Trailer e Camper. Desta forma, juntamente das Vans de passageiros, Ônibus e Micro-Ônibus, os caravanistas deverão desembolsar uma pequena fortuna até mesmo para cruzar o município por suas vias. Exemplo: Para quem sai de Santos rumo a Bertioga deverá realizar um cadastro prévio e pagar R$ 784,00 para percorrer os 31,5km. Para piorar o cenário, a lei determina que o pleito seja feito via E-mail, para o endereço [email protected] .

PRIMEIRAS VÍTIMAS: Com fixação de 2.000 UFs diárias, a multa chega a R$ 7.840,00 POR DIA. Nesta semana o caravanista de Sorocaba Mário Augusto recebeu o “presente” em casa. Seu passeio pelo Guarujá no feriado de Tiradentes lhe rendeu a multa máxima por infringir a lei municipal. Nenhuma placa de advertência foi vista segundo Mário.

A PREFEITURA: Procurada pela reportagem de “A Tribuna” que veiculou o fato na mídia, a prefeitura apenas estampou o número da lei e apontou o endereço físico para o recurso cabível, que segundo o caravanista nada adiantará: “Entrei em contato com a Secretaria de Transportes, mas um funcionário disse que não adiantava eu perder tempo entrando com recurso, porque vão indeferir.”

SINALIZAÇÃO: Segundo campistas e moradores que nos relataram, não há placas claras da restrição. A única que consta está na saída da SP-248, mas não cita Motor-casas, Trailers e nem Campers.

 

 

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. "O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza."

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here