Estávamos na busca de um carregador de baterias legítimo, com qualidade e que realmente entregasse um “serviço” adequado para as baterias veiculares e estacionárias que equipam os carros e veículos de recreação. Eis que nos chega em mãos dois exemplares de uma célebre e famosa marca do setor. A USINA / SPARK fez questão de nos enviar dois carregadores inteligentes de seu catálogo. Os CARREGADORES INTELIGENTES USINA CHARGER 12A vieram na versão tradicional e também na versão Nauticline que vem preparada para aplicação marítima. Será que funcionou?

BREVE RELATO SOBRE CARREGADORES DE BATERIA

Fundamentalmente, qualquer fonte de energia em corrente contínua, mesmo sendo maior que os 12V da bateria, pode fazer a função de carregamento. Trata-se apenas de alimentar e reorganizar as cargas negativas e positivas dentro da bateria para que ela possa fornecer novamente energia por um tempo proporcional à sua capacidade.

É por esta razão que qualquer carregador acaba cumprindo o que promete a primeira vista. Desde os mais arcaicos “conversores” dos trailers antigos até os piores carregadores do mercado que prometem ser “inteligentes”. Mas isto não basta para que a bateria dure bastante. Porque não basta apenas alimentar a bateria com energia e pronto. Alguns cuidados são necessários para que esta sequência de “recargas” não acabem danificando o equipamento.

Os conversores antigos por exemplo, além de transformarem o 220V em 110V também recarregavam baterias. Porém após a recarga total, eles continuavam “forçando” energia goela a abaixo fazendo com que ela se aquecesse e danificasse seus componentes internos. Causa também o vazamento do líquido tão importante na composição da bateria. É por esta razão que alguns deles possuíam a tal função “carga rápida” e “carga lenta”. Na segunda função, menos eletricidade seria enviada à bateria evitando que a mesma danificasse tanto. De qualquer forma, ainda assim estaria sendo lançada carga quando o ideal naquele momento seria o carregador ser desligado.

Mas como fazer? Passar o dia cuidando da carga da bateria? e quando houvesse qualquer uso dela? Novamente uma recarga assistida? Igual a “ferver o leite”, a carga da bateria acaba repetindo a mesma “Lei de Murphy”. Quando vira as costas ela carrega 100% e passa a ser danificada. É por este motivo que vieram os “carregadores inteligentes”.

CARREGADORES INTELIGENTES:

O dispositivo carrega a bateria e monitora até que ela esteja carregada. Depois disso, passa a “pulsar” uma pequenina carga que ao mesmo tempo que mantém a carga total, também monitora se a mesma não foi descarregada por uso. Caso isto aconteça ela inicia o ciclo novamente. Diversos são os tipos de carregadores inteligentes no mercado. A diferença deles está no número de estágios em que eles trabalham, mesclando a amperagem maior no início do ciclo com a menor no final, tendo estágios intermediários que visem uma manutenção mais adequada à bateria.

Mas como saber se os prometidos “carregadores inteligentes” do mercado prestam? Se você não é um expert em eletrônica, nem possui um laboratório de testes e tampouco vai querer ficar gastando dinheiro para testar diversos aparelhos, terá que confiar na marca e nas experiências.

VOLTAGEM IDEAL DE CARGA:

Antes de começarmos a falar do carregador da USINA, é importante entender mais um requisito para um bom carregador de baterias. Existem duas “voltagens” conhecidas neste meio. A corrente com 14,4V é muito difundida nos sistemas de alternador dos carros, sendo a voltagem ideal para baterias com uma boa dose de descarga. Já a voltagem de 13,8V é mais indicada para o estágio de flutuação, para que não haja sobreaquecimento da bateria. Em resumo, se você possui uma bateria que apresenta boas descargas por uso, o ideal será a carga em 14,4V. Já se for uma bateria que está sendo sempre mantida carregada, o ideal será os 13,8V. Só que no mercado vemos carregadores inteligentes que trabalham em 14,4V ou 13,8V somente. Porém, existe uma outra necessidade no caso de se manter uma bateria em constante flutuação: De vez em quando, é necessário aplicar os 14,4V durante um pouco de tempo para que os eletrólitos da bateria se equalizem internamente. E agora?

A FUNÇÃO “SMART CHARGER” DA SPARK USINA

O que mais nos agradou no carregador inteligente da USINA / SPARK (agora sim falando do review) foi esta função denominada “smart charger”. Isto porque ela faz o monitoramento de todo aquele processo anteriormente explicado sobre um carregamento “inteligente”. Resumindo, o dispositivo da SPARK USINA funciona da seguinte maneira: O carregador lê a voltagem da bateria. Se estiver baixa, ele aplica os 14,4V em alta amperagem e faz leituras da voltagem dela até que ela alcance a carga nominal, diminuindo aos poucos a corrente. A partir deste momento ela irá manter a bateria “em flutuação” conservando os 13,8V com baixa amperagem para que ela não se danifique em longo prazo, sempre monitorando para ver se não houve descarga da bateria por motivo de uso de equipamentos a ela ligados. Caso isto ocorra, o carregador voltará a aplicar a tensão de carga de 14,4V até o carregamento total. Caso não ocorra ele irá manter a flutuação dos 13,8V. Mas e sobre a equalização dos eletrólitos internos da bateria? Esta é a cereja do bolo do sistema “Smart Charger” da USINA. O carregador, sempre que se passar 23 horas em que esteja em constante flutuação dos 13,8V, o carregador alternará para a tensão de 14,4V durante uma única hora para que esta equalização interna da bateria seja realizada. Após este tempo, ele retorna ao ciclo monitorado de flutuação anteriormente explicado. O gráfico abaixo ilustra exatamente o esquema do processo.

O CARREGADOR:

A linha de carregadores inteligentes da USINA / SPARK oferece três modelos de capacidades diferentes. 3A (Amperes), 6A e 12A. Eles não se diferenciam apenas na capacidade de carga, mas também nos seus tamanhos que são proporcionais às suas capacidades mantendo a mesma semelhança de design. É importante lembrar que é altamente recomendada a aplicação de carregadores com 10% a 20% da capacidade da bateria, ou seja, no caso de uma bateria de 120A, será necessário um carregador de 12A e no máximo 24A.

MODELOS ENVIADOS AO MaCamp

Nossos modelos enviados foram de 12A, tendo aproximadamente 15cm X 15cm e 5cm de espessura. O modelo tradicional vem na cor amarela e é equipado com cabo AC e plug de tomada que pode ser 110V ou 220V. Também é equipado com cabo de carga com garras de pressão a serem plugadas na bateria com diferenciação de pólos negativo (preto) e positivo (Vermelho). O gabinete leva o design e formato do logotipo consolidado da USINA e é fabricado em policarbonato injetado para que não propague fogo. Nele também há um local para descanso das garras quando o equipamento é guardado.

MODELO NAUTICLINE:

Além do tradicional amarelinho acima, também foi enviado um modelo igualmente de 12A na versão NAUTICLINE. Há duas grandes diferenças além da cor entre os dois modelos, sendo o restante tudo igual:

1- Existe um tratamento de todo o seu sistema eletrônico interno com uma proteção contra maresia. Trata-se de um “banho” de todo o circuito interno em uma espécie de resina ou verniz. Isto protege contra corrosão ou mesmo respingos de umidade que atinjam o carregador. Apesar de não ter sido projetado para um cenário tão extremo, uma pessoa na internet fez um video onde desmontava o circuito do gabinete e o mergulhava em água.
2- Ele já vem preparado para instalação “on board”, ou seja, não possui garras “jacaré”, mas sim terminais dedicados a parafusar os pólos do carregador no sistema. Desta forma a instalação fica mais segura e eficiente.

PROTEÇÃO CONTRA INVERSÃO DE POLARIDADE:

Comum em muitos carregadores, o Charger da  USINA / SPARK conta com proteção de inversão de polaridade. Isto significa que caso sejam ligados os pólos invertidos (negativo no positivo e vice-versa), nem a bateria sofrerá danos e nem o carregador estragará. Apenas será indicado no painel do carregador com o acendimento do LED específico. O mesmo vale para quando os fios positivo e negativo são juntados em curto.

VENTOINHA:

Os modelos de 6A e 12A são equipados com ventoinha interna automática. De maneira inteligente ela é acionada apenas quando há aquecimento do aparelho e mesmo assim dependendo da intensidade a velocidade será dosada.

PAINEL DE LEITURA:

O painel de leitura é simples e indica não só a voltagem da bateria (com 4 estágios de leitura: 10,5V; 12,5V; 13.8V e 14,4V) como também acusa se está em estágio de carregamento ou flutuação.

PROTEÇÃO ANTI-CHAMAS:

Pode parecer besteira, mas o gabinete feito em policarbonato ao invés de plástico comum pode evitar incêndios. Isto porque caso um superaquecimento vindo do carregador aconteça, o gabinete não pegará fogo. Mesmo que haja um princípio de incêndio dentro do aparelho, o policarbonato irá se encolher abafando tal combustão. Caso o incêndio venha de fora, o material não alimentará o fogo e ainda protegerá o dispositivo elétrico interno de causar novas faíscas.

UNBOXING

Os Carregadores chegam do mercado em embalagem do tipo “blister”. Trata-se daquele plástico transparente moldado ao produto, acomodando também os cabos e o manual de instruções. Interessante que o sistema de encaixe de abertura permite também o fechamento para que este sirva como estojo para a guarda. Para quem optar por um desses no porta-malas do carro, estará sempre bem acomodado e protegido de poeira.

MANUAL DE INSTRUÇÕES:

O produto acompanha um manual de instruções pequeno e funcional, além de muito completo. Nele há informações sobre os cuidados, funcionamento, e elementos do aparelho. No verso, toda a explicação do sistema de ciclos de carregamento com dupla flutuação também consta em detalhes.

OS TESTES:

O cenário dos testes foi nosso trailer de uso pessoal. Ele está equipado com uma bateria de 105Ah Estacionária. Nosso sistema funciona semelhante a um Nobreak. Todos os equipamentos 12V do trailer (geladeira, iluminação, bombas d’água, televisão, decodificadores e roteador) ficam ligados diretamente na bateria e esta, por sua vez sendo carregada pelo carregador inteligente. Até antes deste review, usávamos um carregador “sem marca conhecida” inteligente, porém fixado nos 13,8V. Para este tipo de funcionamento, o carregador inteligente se faz totalmente necessário, pois ele monitora a bateria recarregando-a e também alimenta o consumo dos equipamentos até o limite de sua capacidade. Caso a descarga seja maior do que do carregador, passa-se a drenar energia reservada da bateria, sendo reposta pelo carregador logo após o uso. Assim, ao “acabar a luz” do camping, nada se altera no funcionamento do trailer, passando apenas a consumir a energia unicamente da bateria até que a luz volte para que a recarga seja feita. Desta forma, o carregador também funciona como uma fonte.

Nosso primeiro passo  foi isolar o antigo carregador de baterias e plugar as garras do carregador  USINA / SPARK na bateria. Neste primeiro momento utilizamos o modelo amarelinho tradicional, mas após os testes, faremos a instalação definitiva do modelo nauticline já com uma ligação “onboard” com ligação direta dos cabos até a bateria com os devidos isolamentos e intervenções de disjuntores que auxiliam de segurança e também para função de “liga/desliga”.

Na primeira ligação do aparelho na alimentação 220V externa, já pudemos verificar a voltagem mais alta sendo aplicada ao carregamento da bateria. 14,4V sendo medidos em nosso painel de comandos do trailer. No painel do carregador, acusava a mesma voltagem e indicava o estágio de “carregamento”.

Após algumas horas (não ficamos monitorando minuto a minuto), os mostradores já indicavam o estágio de flutuação em 13,8V. Na realidade a maioria do tempo em que vemos o sistema funcionando, o estágio é este. Isto porque nosso trailer não tem uma descarga profunda com nenhum equipamento. A geladeira que seria o aparelho de maior consumo é “quadrivolt”, ou seja, quando há presença de energia externa (que também alimenta o carregador), ela passa a funcionar diretamente na rede aC e não na bateria).

Sobre o estágio de equalização, pudemos sim verificar que estava funcionando. Porém, como isto ocorre exatamente 23 horas depois de qualquer início de flutuação da bateria, é mais difícil de ser constatado. Como passamos 2 meses testando, foi possível se surpreender com o estágio aplicando 14,4V algumas vezes. Porém isto pode ser confundido com o estágio de reinício de carregamento que pode ocorrer em duas situações: Por queda de rede externa onde os equipamentos do trailer acabam drenando a bateria ou no caso de um uso de banho com misturador, onde as duas bombas de água funcionando ao mesmo tempo aos demais acessórios ligados, como TV, iluminação e eletrônicos, resultam em uma descarga maior do que a potência do carregador. Neste cenário, uma pequena descarga da bateria já inicia o ciclo de carregamento do charger.

CONCLUSÃO:

Ficamos extremamente satisfeitos com os Chargers da  USINA / SPARK. Além da marca já garantir uma confiabilidade ímpar perante ao público de som automotivo, pudemos agora provar que merece toda a fama também no mercado caravanista e overlander. O duplo estágio de flutuação garante um sossego total quanto ao desejo de durabilidade das baterias que não custam barato. Cada ano a mais de vida útil significa dinheiro no bolso. O aparelho é leve, pequeno e com material que passa muita confiança e rigidez. Possui as “costas” retas e dois furos para prender com parafusos dentro do espaço da central elétrica. A ventoinha também fica em um local fácil, na parte superior (onde o ar quente sobe) e com tomadas de ar em locais que não ficam sendo obstruídas. As garras do modelo tradicional são de ótima qualidade com muita tensão nas molas – o que garante bom contato. O gabinete também conta com um local exato para acomodá-las quando guardado na embalagem original que serve de estojo. Vale lembrar que o carregador também pode ser usado simplesmente como FONTE. (Também fizemos este teste, isolando a bateria e alimentando os equipamentos do trailer apenas no carregador. Vale lembrar que os equipamentos devem ser aptos a trabalharem em voltagens maiores, como os 13,8V e os 14,4V)

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: Tensão de Entrada: Bivolt Automático; Tensão de Saída: 13,8V/14,4V (+- 1%); Corrente de Saída: 12A (+-5%); Potência de Saída: 150 Watts (máxima); Rendimento: 80%; Potência de Entrada: 180 Watts; Fusível Entrada: 5A; Peso Aproximado: 650g; Dimensões Aproximadas (AxLxP): 50mmx148mmx151mm (Observações: Corrente e potência aferidos em carga resistiva; A potência de saída pode variar de acordo com a tensão da rede e condições de uso; As medidas referentes às dimensões das fontes possuem uma variação de aproximadamente 2mm)

PREÇO: Na ocasião deste review o preço do carregador (modelo tradicional-amarelo 12A) na loja oficial da USINA de  de R$ 229,90+FRETE. Pela internet, podia ser encontrado variando de R$ 216,91 a R$ 249,80 (tudo + frete). Os preços do modelo Nauticline são maiores, mas com uma diferença bem pequena. Na loja oficial do Mercado Livre, os preços são campeões e com FRETE GRÁTIS,

ONDE COMPRAR: nos milhares de sites e lojas físicas espalhadas pelo Brasil ou pela loja oficial da USINA na internet ou na loja oficial do Mercado Livre.

REVIEW – PRODUTO: Este equipamento foi enviado pela USINA / SPARK que confiou no know-how do MaCamp para testar seus produtos na seção de Reviews. Testes foram feitos com aplicação em um trailer KG-330 e Veículo Pajero na cidade de Paraty-RJ e em viagens percorrendo os Estados de RJ, SP, PR, SC e RS).

 

 

 

 

 

 

 

1 COMENTÁRIO

  1. Como sempre muito bom e esclarecedor Marcos, estava na dúvida mas agora tenho a certeza em optar por ele mesmo sendo um pouco mais caro, compensa pelos detalhes apresentados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here