Tamanho e Documento

Através da observação dos fenômenos naturais da química, o francês Antoine Laurent Lavoisier (1743-1794) concluiu que “… na natureza nada se cria e nada se perde, tudo se transforma”. Observando o atual contexto do campismo brasileiro, uma transformação rápida se revela em relação aos equipamentos de campismo. Entre as mudanças, alguns fabricantes relatam a procura por motor casas mais compactos, de menor tamanho. As grandes mansões rodantes não estão em desuso; apenas se adaptam à realidade onde o trânsito em áreas urbanas é tarefa cada vez mais complicada, bem como os espaços para estacionamento tornam-se a cada dia mais escassos.

Em contrapartida, observa-se o crescimento dos praticantes do autohomismo. São veículos de passeio tracionados -ou não- que passam a compor um conjunto carro+ barraca/ tenda para passeios/ acampadas esporádicos aos finais de semana. Seria uma resposta à falta de campings (inclua-se tarifas de diárias, estrutura e localização)? Custos de manutenção dos robustos rv’s? Regularização da documentação dos equipamentos mais antigos, que nunca mudaram de proprietário e ainda circulam sob a alcunha de “ônibus”? Talvez…

No estado de Santa Catarina, por exemplo, tenho acompanhado as atividades do Clube do Gurgel, cujas atividades corriqueiras são descritas inclusive nas redes sociais. O mesmo movimento já se observa –há anos- nos estados de São Paulo e Rio Grande do Sul.

Como constatou Lavoiser, nada se perde: tudo se transforma!

 

CONFIRA AQUI AS SUAS COLUNAS

 

 

COMPARTILHAR

CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. “O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza.”