Não. Não estamos falando de destinos próximos de São Paulo. Estamos falando de turismo rural DENTRO da maior Capital do País. A cidade de São Paulo possui bairros e localidades campeiras que pouca gente conhece. São sítios, lagos, cachoeiras e até mesmo um núcleo do Parque Estadual da Serra do Mar dentro do município.

Para quem não conhece bem, a cidade de São Paulo é dividida em cinco regiões. A Norte, Oeste e Central são até “pequenas”. A Zona Leste é bem maior que estas, mas a Região Sul é a que possui maior área territorial. Parelheiros, o último Distrito mais distante do Centro, também é o maior em extensão e seus limites alcançam as encostas da serra do Mar. Tamanha distância da área central, assim como a transição para a área de preservação ambiental que debruça sobre o Litoral Sul do Estado faz com que partes dele não se pareçam com o município a qual pertence. É exatamente neste extremo que a cidade de São Paulo pode oferecer turismo Rural, entre parques, cachoeiras e sítios no seu último Bairro denominado Marsilac.

Parelheiros/Marsilac – Último Bairro de São Paulo-SP

Nossa equipe esteve nas últimas semanas em visita a dois pontos turísticos muito interessantes e procurados. O primeiro deles é um Borboletário que possui uma estrutura de parque temático com restaurante. O outro é um dos 10 núcleos Estaduais do Parque da Serra do Mar: Curucutu.

Pouco mais de 50km do centro de São Paulo, rodando por ruas e avenidas que continuam entre as das grandes represas de São Paulo, seguimos em direção ao Sul passando por baixo do novo Rodo Anel e por cima da Estrada de Ferro que funciona até hoje descendo a Serra até Santos. Ali já começamos a ver muitas áreas verdes, focos de bosques, isoladas araucárias e até mesmo pessoas andando a cavalo e em charretes pelas ruas. Logo o asfalto acaba e a estrada segue entre sítios e muita poeira levantada. Entrando pela Estrada da Ponte Alta segue-se mais alguns quilômetros até o Borboletário Águias da Serra.

Estrada de Ferro Santos-Jundiaí da antiga empresa “São Paulo Railway Company” de 1867
Locomotivas. A Estrada de Ferro funciona normalmente escoando produtos para o Porto de Santos.
Entradas de Terra entre sítios ainda dentro de São Paulo. | Fotos: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp

O local é um parque temático. Além do Borboletário em si ainda possui mini fazendinha com animais, trilha infantil onde foi gravada cenas da Novela Carrossel, play-ground, caiaque no lago, pesca e Oficina Foguete da Nasa. O Parque ainda oferece restaurante de Buffet. Apesar da maioria da programação ser voltada às crianças, o local é um ótimo programa para adulto, já que o borboletário possui banners informativos e biólogos de plantão que dão uma aula sobre estas espécies fantásticas que passam pela maravilhosa transformação intitulada metamorfose. No laboratório você pode ver todas as fases das lagartas, casulos e nascimentos das borboletas que são inseridas na estufa. Este viveiro é repleto de borboletas que se alimentam, acasalam e põem seus ovos fechando o ciclo. Depois da atração você poderá relaxar nos jardins na beira do lago, se divertir com as crianças e almoçar no restaurante. Na ocasião (2016) o ingresso era R$ 29,00 (a partir de 3 anos) e o Buffet livre por R$24,50 (crianças R$ 9,90). Atrações monitoradas pagam taxas específicas. O estacionamento também foi cobrado (R$ 10,00). Estrada da Ponte Alta, 4300 São Paulo, SP 04891-270 – borboletario@aguiasdaserra.com.br – Telefone: (11) 5660-6102

Borboletário. | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp
Lagarta. | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp
Casulo | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp
Lboratório | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp
Momento do “nascimento” | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp

Já dentro da estufa | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp

Postura dos ovos na folha. | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp

Fazendinha. | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp

Lago e jardins | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp
Morangos silvestres para saborear ali mesmo. | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp

Seguindo a mesma estrada de terra por volta de 10km, chega-se ao Núcleo Curucutu do Parque Estadual da Serra do Mar. A área de preservação que vem desde a divisa com o Paraná até a divisa com o Estado do Rio de Janeiro seguindo pela encosta da Serra, é dividida em 10 núcleos, cada um com sua estrutura de pesquisa, gestão e visitação. O Núcleo que está dentro da cidade de São Paulo se estende até o litoral Sul fazendo divisa com a cidade de Itanhaém. Inclusive há uma trilha de acesso, mas é fechada ao público por motivos de segurança. Há ainda a trilha do Mirante que pode ser feita sob agendamento prévio. O passeio guiado tem 3.600m (ida e volta) com destino a um mirante que, se der sorte, pode se avistar os municípios litorâneos de Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe.  Visitação:
Dias e horário de funcionamento: de terça-feira a domingo, das 8h30 às 17h. Endereço: Estrada Bela Vista, nº7090 – Emburá do Alto –SP Telefones para informação: (11) 5975-2000 / (13) 3422-5657 / (13) 3426-9223 E-mail: pesm.curucutu@fflorestal.sp.gov.br

Estrada de acesso bem sinalizada | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp

Centro de visitantes | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp

Maquete da área. | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp
Instalações | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp

Campos Nebulares | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp
Portaria do Parque | Foto: Paula/Marcos Pivari – Site MaCamp

Antes de chegar no núcleo do Parque, Há ainda duas cachoeiras que podem ser visitadas. A Cachoeira do Marsilac e a cachoeira do Sagui. Não há campings na localidade, mas vale a tentativa de se contactar quem toma conta da cachoeira do Sagui. Algumas informações não oficiais nos disseram que haveria possibilidade de se acampar na área mediante agendamento. Ainda há uma pousada ecológica bem próxima.

 

COMPARTILHAR
CEO e Editor do MaCamp | Campista de alma de nascimento e fomentador da prática e da filosofia. Arquiteto por formação e pesquisador do campismo brasileiro por paixão. Fundador do Portal MaCamp Campismo sonha em ajudar a desenvolver no país a prática de camping nômade e de caravanismo explorando com consciência o incrível POTENCIAL natural e climático brasileiro. "O campismo naturaliza o ser humano e ajuda a integrá-lo com a natureza."