Mais um feriado prolongado está por vir no final desta semana. O último feriado móvel que cai sempre de quinta-feira acompanha as comemorações cristãs junto ao Carnaval e a Páscoa. Muita gente tem a oportunidade de emendar a sexta-feira aproveitando quatro longos dias de descanso e lazer ou para se dedicar aos ritos religiosos. O camping faz parte de ambos os perfis. Muitos eventos rolarão neste feriado pelos campings do Brasil. Fique de olho em nossos artigos.

Como quase sempre, este ano também cai em junho, já batendo o inverno. O frio no sudeste e sul do Brasil já está pegando e poderá acabar dando um belo gostinho da estação fria. A praia, o campo e a serra já estão à espera dos campistas que possuem uma gama enorme de possibilidades. Mesmo tudo podendo acontecer em termos de clima, tempo e temperatura, porquê não dar uma passadinha na nossa seção de dicas e se inteirar das orientações de como ACAMPAR NO FRIO.

 trailer acampando no frio

Corpus Christi (expressão latina que significa Corpo de Cristo) é uma festa Cristã. É um evento baseado em tradições católicas. É realizada na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade que, por sua vez, acontece no domingo seguinte ao de Pentecostes. É uma festa de ‘preceito’, isto é, para os católicos é de comparecimento obrigatório participar da Missa neste dia, na forma estabelecida pela Conferência Episcopal do país respectivo. A procissão pelas vias públicas, quando é feita, atende a uma recomendação do Código de Direito Canônico (cân. 944) que determina ao Bispo diocesano que a providencie, onde for possível, “para testemunhar publicamente a adoração e a veneração para com a Santíssima Eucaristia, principalmente na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo.” É recomendado que nestas datas, a não ser por causa grave e urgente, não se ausente da diocese o Bispo (cân. 395).

JÁ INSTALOU O NOSSO APP?

Com ele você viaja com todos os campings e pontos de apoio no seu celular, mesmo sem sinal de internet. Instale já!! Android e IOS

 

MAIS SOBRE O FERIADO DE CORPUS CHRISTI

O dia de Corpus Christi acontece 60 dias após a Páscoa, que cai sempre numa quinta-feira.
É uma data comemorativa criada pelo Papa Urbano V, no ano de 1240.

Maria partiu para visitar Isabel: a primeira procissão do Corpus Christi

Naqueles dias, Maria pôs-se a caminho para a região montanhosa, dirigindo-se apressadamente a uma cidade de Judá.
A fórmula “naqueles dias”, freqüente em Lucas, é usada aqui para interligar o relato da visita a Isabel com o relato anterior do anúncio do anjo e com o cântico do Magnificat que segue.

Depois de seu consentimento, Maria ficou grávida de Jesus e foi invadida por uma alegria literalmente entranhável. No seu seio começou a crescer, nutrido com seu sangue, o Verbo que assumiu nossa carne. A primeira palavra da saudação do anjo,”Alegra-te!”, tornou-se em Maria uma realidade visceral.

Depois de permanecer durante alguns momentos em silêncio, agradecendo e adorando, Maria sentiu a necessidade imperiosa de comunicar sua imensa alegria aos outros.

Aquela que se definiu a si mesma como “a Serva do Senhor” é apresentada como protagonista do relato da visita a Isabel desde o início.

Ela é o sujeito dos quatro verbos dos dois primeiros versículos: “Pôs-se a caminho”, “foi com toda pressa”, “entrou na casa de Zacarias”, “saudou Isabel”.

O verbo “pôr-se a caminho” tem em Lucas o significado teológico de disponibilidade e obediência aos planos de Deus.

A prontidão de Maria é ainda mais enfatizada pelo uso da preposição “para” (eis), repetida três vezes nos dois versículos.

A expressão “apressadamente” não quer descrever o estado psicológico de Maria, nem acentuar, primária e diretamente, a presteza externa com que parte.

O que o evangelista quer sublinhar é a atitude interior de fé e de obediência de Maria. Sua “pressa” está dinamizada pelo fervor interior, pela alegria e, sobretudo, pela fé.

Maria parte para as montanhas de Judá, não para verificar o que lhe foi dito pelo anjo, mas movida pelo desejo de ver o que Deus operou em Isabel, para congratular-se com ela, para com ela partilhar a graça que ela própria recebeu e para ajudar sua parenta nos últimos meses da gravidez.

A autocompreensão e a conduta de Maria, “a Serva do Senhor”, antecipam a autocompreensão e a prática de Jesus, que veio “não para ser servido, mas para servir”.
Durante a longa viagem de Nazaré a Ain Karim, Maria recorda as palavras do diálogo com o anjo, “ponderando-as no seu coração”.

Toda a sua atenção está voltada para o “Filho do Altíssimo” que carrega no seu seio. Jesus, nosso Salvador, está sendo incessantemente gestado, nutrido e carregado no seio de Maria de Nazaré, uma mulher de nossa raça.

Podemos dizer, portanto, com J. L. Martín Descalzo, que a viagem de Maria de Nazaré até as montanhas da Judéia foi “a primeira procissão do Corpus Christi”.

O corpo da Virgem de Nazaré foi o ostensório vivo que carregou pela primeira vez o corpo de Cristo, ostensório mais precioso que todos os que serão feitos, de ouro e de pedras preciosas, pelos mais famosos ourives ao longo dos séculos.

Reflitamos sobre nós mesmos. Se realmente acreditarmos que Jesus – agora já ressuscitado – está dentro de nós, nossa atenção estará, como esteve a de Maria, centrada nele; ele será nosso tesouro e nós seremos seus portadores. À medida, porém, em que, como Maria, fizermos a experiência de ter sido agraciados por Deus, não ficaremos fechados em nós mesmos, mas sairemos para proclamar as maravilhas que Deus operou em nós.

Iremos ao encontro dos outros para partilhar com eles nossa alegria e para nos alegrar com as bênçãos que eles receberam. Em outras palavras, quem experimentou a presença do Salvador, não o guarda só para si; leva-o aos que estão longe, leva-o aos que estão esperando por ele, mesmo que o caminho seja longo e ainda que seja necessário enfrentar toda sorte de dificuldades e obstáculos.

Este texto foi extraído do Livro “Assumiu a nossa Carne e acampou entre nós”, do Pe Álvaro Barreiro

Corpus Christi (expressão latina que significa Corpo de Cristo) é uma festa Cristã. É um evento baseado em tradições católicas. É realizada na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade que, por sua vez, acontece no domingo seguinte ao de Pentecostes. É uma festa de ‘preceito’, isto é, para os católicos é de comparecimento obrigatório participar da Missa neste dia, na forma estabelecida pela Conferência Episcopal do país respectivo.
A procissão pelas vias públicas, quando é feita, atende a uma recomendação do Código de Direito Canônico (cân. 944) que determina ao Bispo diocesano que a providencie, onde for possível, “para testemunhar publicamente a adoração e a veneração para com a Santíssima Eucaristia, principalmente na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo.” É recomendado que nestas datas, a não ser por causa grave e urgente, não se ausente da diocese o Bispo (cân. 395).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here